Percurso do Vale do Tâmega

  • Com data de construção anterior a 1120, apresentando uma planta longitudinal composta por uma só nave e uma capela-mor retangular.
  • Igreja muito simples, rematada com uma torre sineira, o pórtico principal é de arco quebrado, do séc. XII. O interior é também muito simples e aloja a sepultura de Álvaro Pessoa de Carvalho.
  • Foi edificada no séc. XIII como Igreja de Santa Maria por ali ter existido um pequeno complexo monástico feminino da Ordem de São Bento.
  • Pertencente à Rota do Românico nas Terras do Basto, a Igreja de Santa Maria de Veade é do final do séc. XII, início do séc. XIII.
  • Não se sabe ao certo a data da sua construção. Sabe-se que a sua inscrição relata-se aos finais do românico, ou seja, no séc. XIII.
  • A Igreja de Abragão é referida num documento de 1105, na doação por Paio Peres Romeu da quarta parte da igreja de "Sancto Petro de Auregam" ao Mosteiro de Paço de Sousa.
  • Erguida no convento beneditino instituído nos sécs. IX e XI extinto antes de 1245 por D. Sancho II e convertida em abadia secular na centúria de XIII.
  • As suas origens remontam ao período do reinado de D. Afonso Henriques, ao séc. XII. Edifício de modestas proporções, de nave única e capela-mor rectangular.
  • Templo românico com retábulos de talha em estilo neo-clássico. No interior, restaurado no séc. XIX, saliente-se o arco da capela-mor que assenta em colunas com capitéis ornamentados.
  • Segundo a tradição, a origem desta igreja pode estar no século XII, ao ser fundado um pequeno mosteiro pelos Cónegos Regrantes de Santo Agostinho.
  • Do Mosteiro do mesmo nome, é considerada como uma das instituições mais antigas do concelho, estando documentada nos finais do século XI.
  • Sendo o que resta de um Convento Beneditino feminino do séc. XII, é mais uma das muitas igrejas do românico tardio.
  • Edificada no primeiro quartel do séc. XIV, este templo enquadra-se no romântico tardio seguindo os traços do portal principal, sem tímpano.
  • Esta igreja foi fundada no séc. XIII pela Raínha Santa Mafalda, filha de D. Sancho I. É composta por uma só nave retangular, com capela-mor também retangular, que estão separadas por um arco.
  • Pouco resta da igreja original, tendo sofrido alterações ao longo dos séculos, conserva a cabeceira românica e respectivo arco triunfal.
  • A Igreja de Santa Maria de Jazente é mais um templo, edificado nos finais do séc. XIII, no final do período românico.
  • Igreja de uma só nave e cabeceira retangulares vemos nas paredes diversos símbolos alfabéticos e geométricos, bem como as diversas siglas dos canteiros, pelo menos seis diferentes que ali trabalharam.
  • Este Mosteiro Beneditino é a mais notável obra do românico no concelho de Amarante, tendo sido fundado em meados do séc. XII.
  • Com uma origem à partida muito polémica, a história do Mosteiro de Vila Boa do Bispo é baseada nos sarcófagos ali existentes.
  • Um belo exemplar da arquitectura românica pelo notável estado de conservação e pelas características, enquadrando-se muito bem no meio rural.

 

 

 


..