Século XIX

O século XIX, decorrido entre 1801 e 1900, os anos dos acontecimentos denonimados de oitocentistas, foi o século das grandes invenções e descobertas em todas as áreas da ciência.

O Século XIX

Foi a base dos desenvolvimentos que aconteceram no século seguinte, o século XX. Foi o século de maior crescimento populacional devido principalmente aos avanços do conhecimento da anatomia humana e por consequência da medicina, duplicando a população mundial de 200 milhões para mais de 400 milhões. O aparecimento da via férrea proporcionou uma melhoria na vida e os grandes movimentos urbanísticos.

No campo das artes assistiu-se aos sucessivos sinais do neoclassicismo, do romantismo, do naturalismo e realismo, tal como o impressionismo.

Nos monumentos em Portugal assistiu-se ao aparecimento do neoclassicismo no final do século, primeiro no Porto e depois estendendo-se até Lisboa, um estilo que se mantém até ao início do século XX por motivo dos problemas da sociedade e da política durante esse século. Ainda como resultado do terramoto de 1755 e das suas consequências para o país dominava a arquitetura pombalística e daí o neoclassicismo demorar mais a desenvolver, ao contrário da Europa onde já se via desde o século anterior.

Neoclassicismo

Teatro Sá de Miranda
Viana do Castelo

Na arquitetura pombalística não se utiliza a decoração prevalecendo a sobriedade clássica e privilegiando a construção anti-sísmica e a funcionalidade, suprimindo o que é supérfluo. Os edifícios são habitualmente constituídos por três corpos, sendo o central mais saliente, com pilastras, varandas e poucas ou nenhumas esculturas.

Santuário do Bom
Jesus do Monte
Braga

O Santuário do Bom Jesus do Monte, em Braga, é mais um exemplo de uma obra neoclássica do final do século XVIII e início do século XIX em três volumes, sendo o central saliente.

Quanto à decoração, nota-se o abandono da talha dourada para a mais simples talha de cor branca, idêntico ao clássico. Pelo contrário utilizam-se mais azulejos principalmente durante o reinado de D. Maria I, no início do século.

Romantismo, neomanuelino e neogótico

Fachada da Estação
do Rossio, Lisboa

O romantismo surgiu no final do século XVIII, prolongando-se por grande parte do século seguinte. Em Portugal apareceu mais tarde, já no século XIX. Foi a época dos romances, dos sentimentos, dos dramas, das tragédias, do sonho e da fantasia, do subjetivo e do ideal.

Sendo um movimento oposto ao neoclassicismo, os artistas dedicam-se ao individualismo, ao sentimento, à emoção. Na arquitetura destaca-se a recordação do passado, destacando-se o neomanuelino e o neogótico. Os edifícios são de planta irregular em que se simula que foi construído em várias fases com os devidos e sucessivos acrescentos, tal como acontecia nos monumentos medievais. A decoração recorda o passado, utilizando no entanto as técnicas modernas e as inovações. Mantém-se ainda a funcionalidade a sobrepôr à decoração, típico do neoclássico.

Livraria Lello e Irmão
Porto

Com a utilização do ferro alem da pedra consegue-se outras construções anteriormente impossíveis ou muito difíceis, como o Elevador de Santa Justa em Lisboa e a Estação da CP no Rossio, também em Lisboa. Construía-se facilmente grandes vãos com a utilização de vigas de ferro em vez da tradicional cúpula em pedra.

O neomanuelino trás a grande decoração, por recordação do manuelino do século XVI, criando-se arcos, pináculos, frisos, e muitos outros elementos clássicos.

A Livraria Lello e Irmão é um belo exemplo do estilo neogótico, um estilo inspirado no gótico, mas que não teve grande expressão.

No final deste século surge o ecletismo, uma mistura de diversos estilos utilizados ao longo do século.

 

  • Em 1911 a instituição sofreu com a primeira República, tendo sido anexada à futura Universidade do Porto e ficando com o nome de Faculdade de Ciências a partir de 1915.
  • A Alfândega Nova pertence à freguesia de Miragaia, na praia desta, do início da segunda metade do século XIX.
  • Como o nome indica, estas Alminhas estão situadas perto da ponte D. Luís I, com o sentido de homenagem às pessoas mortas durante as Invasões Francesas.
  • Situado na Praia do Barril e com origem em 1842, foi transformado e adaptado a lojas, restaurantes e cafés.
  • A Antiga Fábrica de Cerâmica Jeronymo Pereira Campos foi fundada em 1896. Ali se fabricava os tijolos e as telhas do tipo marselhesa, sendo a única fábrica deste material entre Porto e Pampilhosa.
  • Perto da entrada norte para a aldeia de Jerusalém do Romeu existe um sinal dos tempos antigos, uma ponte da linha férrea agora desativada.
  • É um edifício neoclássico do século XIX caracterizado pela fachada principal, que apresenta um esquema rico de jogo alternado de vãos.
  • Este edifício do século XIX recebeu a cadeia e atualmente alberga o Museu Eduardo Tavares.
  • Um apeadeiro na Linha do Douro que faz serviço para a localidade de Barqueiros de que dista cerca de 1700 metros. A Linha do Douro liga Ermesinde ao Pocinho, numa extensão de 160 km. Este apeadeiro...
  • O Aquário Vasco da Gama, um dos aquários mais antigos do mundo, foi inaugurado em 20 de maio de 1898, num projeto iniciado pelas comemorações do 4º Centenário da descoberta do caminho marítimo para...
  • Do séc. XIX, é de arquitectura romântica. Inicialmente teve como nome a Porta de Tempre, em referência ao combate da Ordem do Templo contra os Mouros.
  • Um dos muitos elevadores existentes em Lisboa que ligam uma parte baixa a uma alta da cidade, este liga a Rua de São José à Rua Câmara Pestana.
  • O Santuário de Nossa Senhora da Piedade e Santos Passos, também conhecida como Nossa Senhora do Sameiro de Penafiel, é considerada como ex-libris da cidade.
  • Este edifício, que se supõe ter sido construído para albergar os Paços do Concelho, é atualmente a Biblioteca Municipal Professor Machado Vilela, uma homenagem à vida e obra deste professor da...
  • Foi edificada nos finais do séc. XIX para reunir no seu edifício todas as repartições da Câmara, Museu Municipal, Tribunal, cartório.
  • Situado no centro histórico, no Largo D. João III, este edifício é datado do final do séc. XIX, pertencente ao neoclássico tardio.
  • O edifício dos Paços do Concelho, voltado para a Praça Francisco Meireles, construído no século XIX, tem a fachada principal com três panos definidos por pilastras toscanas.
  • Este edifício está situado na via principal que atravessa a vila, foi edificado nos finais do século XIX tendo sido construído nos terrenos do Convento de Santa Clara.
  • Edifício construído no séc. XIX, situa-se na Praça da República, no centro da cidade. De planta rectangular, é formado por dois pisos de três panos.
  • Esta Capela da Senhora do Bom Sucesso é uma ermida situada no ponto mais elevado da aldeia de Aranhas.