Século XIX

O século XIX, decorrido entre 1801 e 1900, os anos dos acontecimentos denonimados de oitocentistas, foi o século das grandes invenções e descobertas em todas as áreas da ciência.

O Século XIX

Foi a base dos desenvolvimentos que aconteceram no século seguinte, o século XX. Foi o século de maior crescimento populacional devido principalmente aos avanços do conhecimento da anatomia humana e por consequência da medicina, duplicando a população mundial de 200 milhões para mais de 400 milhões. O aparecimento da via férrea proporcionou uma melhoria na vida e os grandes movimentos urbanísticos.

No campo das artes assistiu-se aos sucessivos sinais do neoclassicismo, do romantismo, do naturalismo e realismo, tal como o impressionismo.

Nos monumentos em Portugal assistiu-se ao aparecimento do neoclassicismo no final do século, primeiro no Porto e depois estendendo-se até Lisboa, um estilo que se mantém até ao início do século XX por motivo dos problemas da sociedade e da política durante esse século. Ainda como resultado do terramoto de 1755 e das suas consequências para o país dominava a arquitetura pombalística e daí o neoclassicismo demorar mais a desenvolver, ao contrário da Europa onde já se via desde o século anterior.

Neoclassicismo

Teatro Sá de Miranda
Viana do Castelo

Na arquitetura pombalística não se utiliza a decoração prevalecendo a sobriedade clássica e privilegiando a construção anti-sísmica e a funcionalidade, suprimindo o que é supérfluo. Os edifícios são habitualmente constituídos por três corpos, sendo o central mais saliente, com pilastras, varandas e poucas ou nenhumas esculturas.

Santuário do Bom
Jesus do Monte
Braga

O Santuário do Bom Jesus do Monte, em Braga, é mais um exemplo de uma obra neoclássica do final do século XVIII e início do século XIX em três volumes, sendo o central saliente.

Quanto à decoração, nota-se o abandono da talha dourada para a mais simples talha de cor branca, idêntico ao clássico. Pelo contrário utilizam-se mais azulejos principalmente durante o reinado de D. Maria I, no início do século.

Romantismo, neomanuelino e neogótico

Fachada da Estação
do Rossio, Lisboa

O romantismo surgiu no final do século XVIII, prolongando-se por grande parte do século seguinte. Em Portugal apareceu mais tarde, já no século XIX. Foi a época dos romances, dos sentimentos, dos dramas, das tragédias, do sonho e da fantasia, do subjetivo e do ideal.

Sendo um movimento oposto ao neoclassicismo, os artistas dedicam-se ao individualismo, ao sentimento, à emoção. Na arquitetura destaca-se a recordação do passado, destacando-se o neomanuelino e o neogótico. Os edifícios são de planta irregular em que se simula que foi construído em várias fases com os devidos e sucessivos acrescentos, tal como acontecia nos monumentos medievais. A decoração recorda o passado, utilizando no entanto as técnicas modernas e as inovações. Mantém-se ainda a funcionalidade a sobrepôr à decoração, típico do neoclássico.

Livraria Lello e Irmão
Porto

Com a utilização do ferro alem da pedra consegue-se outras construções anteriormente impossíveis ou muito difíceis, como o Elevador de Santa Justa em Lisboa e a Estação da CP no Rossio, também em Lisboa. Construía-se facilmente grandes vãos com a utilização de vigas de ferro em vez da tradicional cúpula em pedra.

O neomanuelino trás a grande decoração, por recordação do manuelino do século XVI, criando-se arcos, pináculos, frisos, e muitos outros elementos clássicos.

A Livraria Lello e Irmão é um belo exemplo do estilo neogótico, um estilo inspirado no gótico, mas que não teve grande expressão.

No final deste século surge o ecletismo, uma mistura de diversos estilos utilizados ao longo do século.

 

  • Academia Politécnica A finalidade desta Academia foi a "fim de plantar no País as ciências industriais", e nada melhor porque "a populosa e rica cidade do Porto é a localidade mais apropriada pelo...
  • A Alfândega Nova pertence à freguesia de Miragaia, na praia desta, do início da segunda metade do século XIX.
  • Alminhas da Ponte Como o nome indica, estas Alminhas estão situadas perto da ponte D. Luís I, com o sentido de homenagem às pessoas mortas durante as invasões Francesas. As pessoas, numa tentativa...
  • Perto da entrada norte para a aldeia de Jerusalém do Romeu existe um sinal dos tempos antigos, uma ponte da linha férrea agora desativada.
  • Não há muitas referências sobre este monumento. É um edifício neoclássico do século XIX caracterizado pela fachada principal, que apresenta um esquema rico de jogo alternado de vãos. Atualmente...
  • Este edifício do século XIX recebeu a cadeia e atualmente alberga o Museu Eduardo Tavares.
  • Do séc. XIX, é de arquitectura romântica. Inicialmente teve como nome a Porta de Tempre, em referência ao combate da Ordem do Templo contra os Mouros.
  • Um dos muitos elevadores existentes em Lisboa que ligam uma parte baixa a uma alta da cidade, este liga a Rua de São José à Rua Câmara Pestana.
  • O Santuário de Nossa Senhora da Piedade e Santos Passos, também conhecida como Nossa Senhora do Sameiro de Penafiel, é considerada como ex-libris da cidade.
  • Este edifício, que se supõe ter sido construído para albergar os Paços do Concelho, é atualmente a Biblioteca Municipal Professor Machado Vilela, uma homenagem à vida e obra deste professor da...
  • Foi edificada nos finais do séc. XIX para reunir no seu edifício todas as repartições da Câmara, Museu Municipal, Tribunal, cartório.
  • Situado no centro histórico, no Largo D. João III, este edifício é datado do final do séc. XIX, pertencente ao neoclássico tardio.
  • O edifício dos Paços do Concelho está voltado para a Praça Francisco Meireles como a receber e despedir os visitantes que desejam conhecer a vila. Edifício construído no século XIX, tem uma planta...
  • Este edifício está situado na via principal que atravessa a vila, foi edificado nos finais do século XIX tendo sido construído nos terrenos do Convento de Santa Clara. A fachada apresenta-se...
  • Edifício construído no séc. XIX, situa-se na Praça da República, no centro da cidade. De planta rectangular, é formado por dois pisos de três panos.
  • Esta Capela da Senhora do Bom Sucesso é uma ermida situada no ponto mais elevado da aldeia de Aranhas.
  • Situada no centro histórico da vila, tem a sua frontaria virada para a Praça da República. Edificada em 1890 sobre uma outra antiga capela oitocentista, esta capela neoclássica de planta...
  • Pensa-se que esta capela remonta ao século XIX e que possivelmente um dos autores terá sido Nicolau Nasoni. É de planta longitudinal, de nave única retangular com um altar-mor e sacristia.
  • A capela de Nossa Senhora da Conceição foi edificada entre 1880 e 1882. No seu local existia uma pequena capela de madeira.
  • Um dos maiores emblemas é a capela de Nossa Senhora das Graças, que começou a ser construída em 1860, num local designado por Outeiro das Cruzes.