Praça do Comércio ou Terreiro do Paço, antigamente com a denominação de Terreiro do Paço da Ribeira. Ao centro ergue-se a estátua equestre de D. José I.

A Praça do Comércio

Praça do Comércio

Praça do Comércio ou Terreiro do Paço, antigamente com a denominação de Terreiro do Paço da Ribeira, é o local mais emblemático da cidade de Lisboa. A sua situação junto do Rio Tejo e nos limites da Baixa Lisboeta faz com que seja a porta de entrada em Lisboa e na região portuguesa a norte do Rio Tejo para quem chega a Lisboa vindo do Oceano Atlântico ou vindo da Margem Sul.

Terreiro do Paço

Ali existiu, na ala ocidental, o palácio dos Reis de Portugal desde o século XVI e durante cerca de dois séculos, e daí a denominação de Terreiro do Paço. Esses edifícios estão hoje ocupados por departamentos ministeriais, por hotéis, lojas, restaurantes e cafés, além de espaços culturais. Com cerca de 180m x 200m, num total de 36.000m2, é das maiores praças da Europa.

D. Manuel I

D. Manuel I tinha a sua residência no Castelo de São Jorge. Em 1511 fez a sua transferência para esta praça, para o Paço da Ribeira.

Destruição no Séc. XVIII

Ali existiu uma biblioteca com 70.000 volumes e diversas pinturas, tal como diversos documentos relativos à descoberta do Brasil.

Um grande incêndio em 14 de Dezembro de 1745 destruiu uma grande parte do Paço e da sua biblioteca. O que restou foi totalmente destruído pelo terramoto de 1755.

Do Século XVIII ao Século XX

Esta foi uma das principais obras da reconstrução pombalina após o terramoto de 1755, delineada por Eugénio dos Santos e Carlos Mardel.

Ao centro ergue-se a estátua equestre de D. José I, montado no seu cavalo Gentil, que foi erigida em 1775 pelo principal escultor português desse tempo, Joaquim Machado de Castro.

No lado norte e a separar da Rua Augusta, a principal via da Baixa Lisboeta, está o majestoso Arco Triunfal, conhecido por "Arco da Rua Augusta".

Durante muitos anos esta praça era o principal parque de estacionamento da Baixa de Lisboa, até que na década de 1990 foi transformado no que é atualmente.

Acontecimentos Históricos

Sendo palco de diversos acontecimentos históricos, foi ali que, em 1 de dezembro de 1640, foi presa a Duquesa de Mântua e morto o secretário de estado Miguel de Vasconcelos pelo famoso acontecimento de ser atirado de uma janela do palácio para a praça.

Em 1 de fevereiro de 1908 foram ali assassinados o rei D. Carlos e o seu filho D. Luis Filipe, o que deu início ao processo de fim da Monarquia e início da República. Esta foi proclamada ali próximo, na Praça da República opnde se situa a Câmara Municipal de Lisboa, em 5 de outubro de 1910. As tropas desembarcaram ali no Cais das Colunas, com a finalidade dessa revolução.

Após esta revolução, os edifícios que circundam a praça foram pintados de rosa, as cores republicanas, sendo mais tarde revertidas para a cor original e atual, o amarelo.

O Cais das Colunas, no extremo sul desta praça, serviu para desembarque da realeza ou de chefes do Estado, como por exemplo a Rainha Isabel II na sua visita a Portugal em 18 de fevereiro de 1957.

Foi também nesta praça que se deu um dos episódios que derrubou o regime do Estado Novo em 25 de abril de 1974 e depôs o então Presidente do Governo Marcello Caetano.

Eventos na Atualidade

Esta praça é constante cenário de espetáculos, eventos culturais e celebrações.

Assim por exemplo ocorrem ali os festejos da Passagem de Ano, as comemorações do Dia de Portugal e a visita de figuras de relevo, como a missa celebrada pelo Papa Bento XVI em 11 de maio de 2010.

Os Cacilheiros

Durante muitos anos era dali que saíam os barcos "Cacilheiros" para Cacilhas, em Almada, na outra margem do Tejo, e para o Barreiro para dali fazerem a ligação à Linha Férrea do Sul. Atualmente os Cacilheiros para Almada têm a sua partida do Cais do Sodré, mantendo-se no entanto ali as partidas para o Barreiro.

Classificação

A Praça do Comércio está classificada como Monumento Nacional.

Localização

A Praça do Comércio situa-se quase no extremo sul de Lisboa, junto do Rio Tejo e em frente de Almada.

Coordenadas GPS: N 38 42.453' W 009 08.198'  (38.70755, -9.13663)

Temas / Tags

Santa Maria Maior, publicado em por