Faróis

Faróis

Desde a antiguidade que se utilizam luzes acesas na costa para orientar os navegantes e avisar da proximidade de terra. Sendo na sua forma primitiva uma simples fogueira, depois luzes de azeite, evoluíram até aos faróis que vemos hoje um pouco por toda a costa portuguesa.

  • A Capela de Nossa Senhora da Boa Viagem e de Santo António situa-se no centro da Ericeira. Não há certeza quanto à sua edificação, mas poderá ter sido no séc. XIV ou XV.
  • É o mais antigo farol existente em Portugal. Foi construído em 1527 por ordem de D. Miguel da Silva.
  • O Farol da Barra é o maior farol da costa portuguesa e o segundo maior da Península Ibérica. Foi construído no século XIX, eletrificado em 1936 e automatizado em 1990.
  • Já no início do séc. XVI a irmandade neste local, na ermida de Nossa Senhora da Guia, acendia luzes em azeite para auxílio aos navegantes.
  • Este farol está situado na ponta mais oeste da Ilha da Madeira sobre as grandes falésias, criando vistas maravilhosas.
  • Coordenadas GPS: N 38 41.284' W 009 08.784'
  • De arquitetura civil, o farol apresenta uma planta em U cuja entrada está virada a norte e a torre ao centro. O edifício é em cantaria e cunhais em cantaria fendida, terminadas num duplo friso.
  • Farol situado no sítio da Vigia.
  • O Farol de Vila Real de Santo António iniciou o seu funcionamento em 1923. A torre tem 46 metros de altura, em formato circular.
  • Em 1915 foi construída uma torre com 13 metros de altura. O farol foi electrificado em 1947 e ligado à rede pública eléctrica em 1969.
  • Fortaleza do Cabo de São Vicente, ou Antigo Convento do Corvo, estrategicamente situado na defesa costeira do Algarve e na sua proximidade com o norte de África.
  • Com mais duas denominações como Castelo da Gafanha e Forte Novo, foi edificado no séc. XVII após o fim da guerra da Restauração, na necessidade de reforçar as fronteiras do Reino.
  • Também conhecido como Forte de Esposende, foi edificado entre 1699 e 1704 durante o reinado de D. Pedro II, inserindo-se no plano de proteção da costa portuguesa e da entrada do Rio Cávado.