O Aqueduto das Águas Livres foi construído no século XVIII por D. João V. A sua finalidade foi a de trazer água até Lisboa, vindo da zona de Belas, concelho de Sintra.

Origem e Finalidade

Mãe de Água

O Aqueduto das Águas Livres foi construído no século XVIII por D. João V. A sua finalidade foi a de trazer água até Lisboa, vindo da zona de Belas, concelho de Sintra.

O final deste aqueduto em Lisboa verifica-se neste local, nas Amoreiras, no Reservatório da Mãe d’Água, depois de passar pelo espetacular arco da Rua das Amoreiras.

Uma obra do arquitecto húngaro Carlos Mardel, executada entre 1746 e 1748, tinha no seu plano original o prolongamento até onde é hoje o Largo do Rato, o que no entanto não se concretizou. O reservatório projetado por Carlos Mardel só ficou concluído em 1834, quase 90 anos depois de iniciada e após várias revisões e modificações do plano original.

Atualidade

O Reservatório da Mãe d’Água é atualmente um espaço amplo, em que o seu interior se assemelha a uma igreja estilo salão.

A água vinda do aqueduto sai pela boca de um golfinho sobre uma cascata, tudo construído com pedra provinda do local onde inicia o aqueduto.

O tanque mede sete metros e meio de profundidade, com uma capacidade de 5500 m3. O teto do reservatório é sustentado por quatro colunas que tem por cima um terraço com uma vista espetacular sobre Lisboa.

O Museu da Água promove visitas ao Reservatório da Mãe d’Água das Amoreiras.

Localização

Coordenadas GPS: N 38 43.265' W 009 09.327'  (38.72108, -9.15545)

Referências

 

Temas / Tags

Santo António, publicado em por