Estátua de D. Dinis
D. Dinis

Olá a todos.

Já que chegaram até aqui vão conhecer um pouco da minha personalidade. Sou o sexto Rei de Portugal, nasci em 1261 e morri em 1325. Devido à situação frágil de meu Pai, cedo fui coroado Rei, o que teve início em 1279 e foi o mais longo reinado português, 46 anos.

Durante estes anos de reinado fui um verdadeiro reformador do Portugal Medieval. Como tal sempre defendi os interesses do meu País, desenvolvendo-o com novas técnicas que entendia serem as melhores. Para isso, também contribuiu ser o primeiro Monarca alfabetizado, podendo assim escrever o meu nome todo.

Fiz acordos com a Santa Sé com quem, na altura em que tomei o trono, Portugal estava em litígio retirando o poder eclesiástico sobre as propriedades Reais. É feita uma concordata em que os poderes sobre as propriedades passariam a serem resolvidos pelo Rei.
Neste âmbito, apoiei os Cavaleiros Portugueses quando estes pretendiam separar-se do seu mestre castelhano, evitando que estes fossem presos por ordem do Pontífice Clemente V, e que os seus bens fossem recolhidos para a Ordem Hospitalária. Negociei com esta uma nova ordem religiosa militar, denominada Milícia dos Cavaleiros de Nosso Senhor Jesus Cristo, e para a qual obtive a bula da Santa Sé. Mais tarde viria a ser conhecida como a Ordem de Cristo.

Em 1312 o meu Reino começou a contar com uma marinha, a qual fundei e contribuí para a construção de navios. Também cultivei as artes e conhecimento, fomentando a primeira faculdade em Lisboa que mais tarde transferi para Coimbra em 1308, sem pensar que iria dar uma visão à cidade e uma contribuição à Universidade com a nomeação da segunda mais antiga da Europa. Também com ela dei uma contribuição à língua portuguesa, obrigando a redigir documentos oficiais na língua, tornando-me numa referência poética cultural do meu tempo.

Mas o meu maior feito foi na agricultura, distribuindo propriedades pelo meu povo e tirando um pouco a autonomia às Ordens religiosas, e assim contribuí para a formação de novos povoados. Com estes fortifiquei os direitos régios, zelei pela justiça e organizei a defesa de todas as comarcas. Com este lançamento da divisão de terras, lancei e desenvolvi as feiras e igualmente incentivei e protegi a exportação de produtos agrícolas para Flandres, França e Inglaterra. A juntar a estes produtos, negociei também o sal e peixe salgado. Uma das obras mais significativas que tive neste campo foi o pinhal de Leiria que mandei plantar para reter o avanço das areias e não prejudicar a agricultura.

Com estes feitos, compreendi porque o meu povo começou a chamar-me de Lavrador e Poeta e, para não se esquecerem do que estão a fazer, desejo-vos uma continuação de uma boa viagem.

Coordenadas GPS: N 40 12.480' W 008 25.390'  (40.20800, -8.42317)

Temas / Tags

Coimbra, publicado em por

 


Os Mais Próximos


Sé Nova de Coimbra
Coimbra
(170 m NW)

D. João III
Coimbra
(252 m W)

Universidade de Coimbra
Coimbra
(253 m W)

Igreja do Salvador
Coimbra
(260 m NW)

Figuras da Realeza de Portugal

Os Mais Vistos


Lapa de Santa Margarida
Azeitão, Setúbal

Igreja de S. Simão
Azeitão, Setúbal

Ermida de Nossa Senhora da Lapa
Soutelo, Vieira do Minho

Ponte das Três Entradas
Ponte das Três Entradas, Oliveira do Hospital

Conventos e Mosteiros

Ermida ou capela isolada


Escolas e Universidades

Estilo Maneirista

Fortes e fortalezas

Igreja Matriz


A Igreja Matriz, a Albergaria
Arrifana, Vila Nova de Poiares

Antiga Igreja Matriz
Vila Pouca de Aguiar

Capela da Senhora da Soledade
Olhão da Restauração, Olhão

Capela de Nossa Senhora da Saúde de Fetais
Santo Quintino, Sobral de Monte Agraço

Imóvel de Interesse Público


Jardins e Parques Verdes

Portas da Cidade ou do Castelo

Século XVI