Desconhece-se as verdadeiras origens do castelo, acreditando a maioria dos entendidos que teve origem num castro que mais tarde seria aproveitado pelo Império Romano.

História do Castelo

Fortaleza de Abrantes - frontal
Muralha Frontal
Fortaleza de Abrantes - frontal
Muralha Frontal
Fortaleza de Abrantes - lateral
Muralha Lateral
 
Fortaleza de Abrantes - traseira
Muralha Posterior

Desconhece-se as verdadeiras origens do castelo, acreditando a maioria dos entendidos que teve origem num castro que mais tarde seria aproveitado pelo Império Romano.

Este império foi substituído por outros dois, dos visigodos e dos árabes, que sucessivamente ocuparam este território. Neste período, o rio Tejo não teve qualquer influência que o ligasse aos principais poderes e interesses peninsulares até ao século XII.

Com a criação do Reino de Portugal, a localidade de Abrantes e toda a zona que a rodeia tornou-se numa referência. Aqui o rio Tejo também começa a fazer sentido como parte interessada na fortificação deste jovem reino, numa linha defensiva sem precedentes no panorama arquitetónico militar medieval português.

Esta foi a verdadeira razão pela qual D. Afonso Henriques atribuiu a Abrantes a carta foral, com a ideia de atrair população para esta zona tão despovoada e sem qualquer estrutura populacional administrativa.

Assim, e na falta de uma verdadeira estrutura, teve início a sua primeira fase construtiva na segunda metade do século XII.

Desconhecendo-se a fisionomia inicial, acredita-se que teve influência templária no modelo adotado, caraterizado por um esquema verdadeiramente românico. Depressa a estrutura se tornou relevante pois, no final desse século, foi alvo de assédio das tropas almóadas, no contra-ataque islâmico, obrigando ao recuo da fronteira portuguesa no reinado de D. Sancho I.

Fortaleza - entrada nascente
Entrada Nascente
 
Fortaleza - entrada sul - porta da traição
Entrada Sul
Porta da Traição
Fortaleza - interior
Interior
 
Fortaleza - interior - cisterna
Interior - cisterna
 
Fortaleza - Interior - Igreja e Palácio
Igreja Sta. Maria do
Castelo e Palácio
Condes de Abrantes

No séc. XIII o castelo viria a sofrer obras das quais ocorreram importantes alterações feitas por D. Dinis, segundo documentos onde tal constava, ainda decorria o reinado de D. Afonso III, seu pai.

Entretanto D. Dinis doou a vila à sua mulher D. Isabel de Aragão e, paralelamente com o ato, reforçou a fortificação com uma torre de menagem e grande parte da cerca do castelo.

Torre de Menagem

Torre de Menagem
Frontal
Torre de Menagem
Lateral
Torre de Menagem
Posterior

Esta torre situava-se precisamente ao centro do recinto fortificado, uma caraterística que não é frequente na arquitetura militar gótica. Direcionou-se para a maneira românica, sem qualquer adossamento de portas ou torreões, podendo ter sido um reutilização de uma estrutura anterior pré-existente à reforma dionisina.

Torre de Menagem
Entrada
Torre de Menagem
Lápide
Torre de Menagem
Lápide

Sendo este elemento que melhor espelha a fase dionisina, apresenta uma planta quadrangular e de uma rigorosa simetria. Ergue-se originalmente em três pisos, contudo os pisos superiores ruíram com o terramoto em 1531, e assim ficou até agora, apesar de se terem realizado obras no século XIX pelas quais ficou bastante adulterada.

Palácio dos Governadores

Passados dois séculos, no século XV e seguindo uma linha de pensamento da grande nobreza em transformar os antigos castelos para edificar os Paços Senhoriais, o de Abrantes não fugiu à regra. Edificado na parte poente das muralhas do castelo, mesmo em frente à entrada nascente deste, na década de trinta, pelo Alcaide-Mor da Vila Diogo Fernandes de Almeida, ali ficou o Palácio dos Condes de Abrantes.

Palácio dos Governadores
Palácio
Palácio dos Governadores
Arcadas
Palácio dos Governadores
Arcadas
Palácio dos Governadores
Arcadas

Entretanto este paço viria a sofrer bastantes e profundas alterações, das quais a primeira aconteceu no século XVIII pelo primeiro Marquês de Abrantes D. Rodrigo Anes de Meneses.

Desta construção barroca apenas restam ruínas. É ainda possível perceber o impacto deste conjunto cenográfico elevando-se acima das muralhas e formando-se por uma arcaria simétrica de onze vãos, ladeada por duas torres igualmente simétricas.

No séc. XIX deu-se outra grande alteração ao ponto da adulteração total das estruturas, aquando da transformação da praça abrantina em Presídio Militar.

Classificação

A fortaleza está classificada como Imóvel de Interesse Público.

Localização

Coordenadas GPS: N 39 27.870' W 008 11.739'  (39.46450, -8.19565)

Temas / Tags

Abrantes, publicado em por

 

Comentar


Código de segurança
Atualizar


Os Mais Próximos


Memorial
Abrantes
(149 m W)

Igreja de São Vicente
Abrantes
(188 m W)

Casa Falcão
Abrantes
(221 m SW)

Teatro de São Pedro
Abrantes
(248 m W)

Castelos


Forte de Nossa Senhora da Rocha
Porches, Lagoa (Concelho - Faro)

Castelo de Arnóia
Arnóia, Celorico de Basto

Imóvel de Interesse Público

O Românico na Europa e em Portugal


Igreja de Manhente
Manhente, Barcelos

Torre do Castelo
Aguiar de Sousa, Paredes

Igreja Matriz de Jazente
Jazente, Amarante

Igreja de Lamas de Mouro
Lamas de Mouro, Melgaço

Ponte Românica de Agra
Agra, Vieira do Minho

Palácios


Palácio Galveias
Avenidas Novas, Lisboa

Museu do Trajo
São Brás de Alportel

Século XII


Igreja de Santa Maria de Veade
Veade, Celorico de Basto

Ruínas da Capela de Santa Ana
Salir do Porto, Caldas da Rainha

Capela de Santo Abdão
Correlhã, Ponte de Lima

Mosteiro de Sandelgas
São Martinho de Árvore, Coimbra

Os Mais Vistos


Lapa de Santa Margarida
Portinho da Arrábida, Setúbal

Ermida de Nossa Senhora da Lapa
Soutelo, Vieira do Minho

Ponte das Três Entradas
Ponte das Três Entradas, Oliveira do Hospital

Estilo Gótico

Estilo Manuelino

Igreja Matriz


A Igreja Matriz, a Albergaria
Arrifana, Vila Nova de Poiares

Antiga Igreja Matriz
Vila Pouca de Aguiar

Capela da Senhora da Soledade
Olhão da Restauração, Olhão

Capela de Nossa Senhora da Saúde de Fetais
Santo Quintino, Sobral de Monte Agraço

Monumento Nacional


Anta da Agualva
Agualva-Cacém, Sintra

Anta da Barrosa
Vila Praia de Âncora, Caminha

Anta de Santa Marta
Santa Marta, Penafiel

Portas da Cidade ou do Castelo

São Jorge


Calhau de São Jorge
São Jorge, Santana

Capela de São Jorge
Vale de Todos, Ansião

Castelo de S. Jorge
Santa Maria Maior, Lisboa

Farol de São Jorge
São Jorge, Santana

Igreja Matriz de São Jorge
São Jorge, Santana

Século XVI

Século XVIII