Ponte e calçada de Catribana

Num império que se estendia da Grã-Bretanha ao Golfo Pérsico, as vias de comunicação terrestres eram de importância fundamental. Daí que desde muito cedo as autoridades romanas tenham ordenado a construção de uma vasta rede de estradas ligando as suas principais cidades. Esta rede viária, destinada inicialmente à rápida movimentação do exército, viria a tornar-se um poderoso instrumento da administração e economia romanas e um importante factor de romanização.

As vias principais eram pavimentadas com grandes lajes de pedra e frequentemente pautadas por colunas cilíndricas – os chamados marcos miliários – que forneciam ao viajante indicações sobre as distâncias percorridas ou a percorrer entre os principais centros urbanos.
Os romanos preparavam cuidadosamente o traçado das suas estradas, incluindo a localização dos entrepostos necessários ao repouso dos viajantes e montadas, e as soluções adequadas à transposição de obstáculos, nomeadamente cursos de água. Em relação a estes últimos, a opção mais frequente era a construção de pontes, embora a travessia pudesse também efectuar-se através de barcos ou, quando o caudal e a distância entre as margens o permitia, através da colocação de enormes pedregulhos no leito do rio ou ribeira, sobre os quais se fixava um estrado de madeira.

Próximo da aldeia de Catribana, freguesia de S. João das Lampas, temos exemplos de uma calçada e ponte romanas em relativo bom estado de conservação. A ponte, de um único arco, permite o atravessamento da ribeira da Samarra, e faz parte do que seria provavelmente uma via secundária a ligar duas villae importantes ou um acesso a uma via principal. A construção de uma ponte onde a opção pelos pedregulhos seria mais barata e igualmente eficaz traduz bem a importância económica da região sintrense no mundo romano.

Do lado sul da ponte, e no prolongamento de um caminho rural, são ainda visíveis cerca de 50m de uma calçada serpenteante que conduz ao cume de uma colina. Pena é que a moda dos todo-o-terreno esteja a destruir aos poucos um dos raros vestígios de vias romanas no concelho de Sintra.

O conjunto da ponte e da calçada está classificado como Imóvel de Interesse Público pelo Dec. Nº 26-A/92, DR 126 de 1 de Junho de 1992.

(Inserido sem identificação do autor)
Coordenadas GPS: N 38 53.340' W 009 24.811'  (38.88900, -9.41352)

Temas / Tags

Assafora, publicado em por

 


Os Mais Próximos


Praia do Magoito
Magoito, Sintra
(4 km SW)

Escola Primária de Azenhas do Mar
Azenhas do Mar, Sintra
(7 km SW)

Nicho de Nossa Senhora de Fátima
Azenhas do Mar, Sintra
(7 km SW)

Chafariz de Vila de Chã
Azenhas do Mar, Sintra
(7 km SW)

Furnas
Ericeira, Mafra
(8 km N)

Imóvel de Interesse Público


Igreja de Nossa Senhora dos Prazeres
Aldeia Galega da Merceana, Alenquer

Pelourinho do Outeiro
Outeiro, Bragança

Castelo de Avô
Avô, Oliveira do Hospital

Pontes Romanas


Ponte Romana de Sequeiros
Vale Longo, Sabugal

Ponte Romana de Côja
Côja, Arganil

Ponte Romana de Vila Formosa
Vila Formosa, Alter do Chão

Ponte Romana
Escalhão, Figueira de Castelo Rodrigo

Os Mais Vistos


Lapa de Santa Margarida
Portinho da Arrábida, Setúbal

Ermida de Nossa Senhora da Lapa
Soutelo, Vieira do Minho

Ponte das Três Entradas
Ponte das Três Entradas, Oliveira do Hospital

Antas ou Dolmens


Anta
Antas, Esposende

Anta da Agualva
Agualva-Cacém, Sintra

Anta da Barrosa
Vila Praia de Âncora, Caminha

Anta da Cerqueira
Cerqueira, Sever do Vouga

Anta de Monte Abraão
Monte Abraão, Sintra

Estilo Maneirista

Nossa Senhora da Natividade

Pontes Medievais


Ponte Centenária
Arcos de Valdevez

Ponte Medieval
Gafanha da Nazaré, Ílhavo

Ponte Medieval
Cabreiro, Arcos de Valdevez

Praias Fluviais


A Lapa dos Dinheiros
Lapa dos Dinheiros, Seia

Albufeira do Azibo
Macedo de Cavaleiros

Areinho de Avintes
Avintes, Vila Nova de Gaia

Forjães, praia da Morena
Forjães, Esposende

Sepulturas


Alto do Senhor da Boa Morte
Povos, Vila Franca de Xira

Arcas Tumulares
Cete, Paredes

Estação arqueológica
Alcalar, Portimão

Igreja de Santa Maria
Verim, Póvoa de Lanhoso

São Roque

Século XIII

Século XIV

Século XVI