A poucos quilómetros da Figueira da Foz, o Mosteiro de Santa Maria de Seiça, ou Mosteiro de Seiça, assim também conhecido, enquadrado na beleza natural que o rodeia, é um dos elementares exemplos da arquitetura religiosa, acompanhando desde os tempos do início da nacionalidade. Como tal e sofrendo de uma falta de conhecimentos, tem na sua mais antiga referência documental o ano de 1162, pertencendo então aos Crúzios. Todo este início constituiu-se no reinado de D. Afonso Henriques que, em 1175, doou à comunidade uma carta de couto.

Mosteiro de Santa Maria de Seiça
Mosteiro de Santa Maria de Seiça
Mosteiro de Santa Maria de Seiça

Esta foi a época do desenvolvimento da Ordem de Cister no território então reconquistado. Depressa entrou em declínio quando, no reinado de D. Sancho I, as comunidades Cistercienses começaram a diminuir, restando apenas duas filiações de mosteiros, o de Santa Maria da Macieira do Dão e o Mosteiro de Santa Maria de Seiça. E assim este mosteiro passou a ser dominado por esta Ordem.

Apesar de protegido pela coroa ao longo da Idade Média, foi suprimido por D. João III devido aos desentendimentos com a Casa-Mãe de Alcobaça, tendo estes mesmos problemas acabado no reinado de D. Sebastião, em 1560, restituindo o mosteiro novamente à abadia Cisterciense. Nos finais do século XVI e inícios do XVII, o edifício conventual foi reedificado e adaptado para estudos filosóficos da Ordem devido à sua proximidade com o Colégio de Santa Cruz de Coimbra.

Mosteiro de Santa Maria de Seica
Mosteiro de Santa Maria de Seiça

A igreja é o elemento mais representativo do mosteiro, apresentando a fachada com linhas bastantes austeras, através da sua verticalidade e robustez. Apresenta duas torres laterais, com a parte central constituída por pilastras de ordem colossal, que confere ao frontispício um ar majestoso. Com o desaparecimento das ordens religiosas o mosteiro foi vendido, tendo o interior da igreja servido para a instalação de uma fábrica de descasque de arroz, sendo vista a ainda existente chaminé.

Como podemos ver, a antiguidade é tão grande que este belíssimo conjunto conventual foi classificado como Imóvel de Interesse Público, numa tentativa de dar um rosto mais apropriado aos atuais tempos.

Não deixem de passar por lá pelas seguintes Coordenadas GPS: N 40 02.767' W 008 46.908'  (40.04612, -8.78180)

Temas / Tags

Paião, publicado em por