Poço e Nora

Tal como as fontes, também esta tem a função de dar água à população. Mas, ao contrário das fontes e chafarizes, neste caso é necessário um mecanismo para se tirar a água do poço, seja um simples balde com uma corda ou um sistema para trazer a água à superfície, uma nora. Girando a nora com a força dos braços, esta faz rodar o conjunto de corda e baldes que carregam a água à superfície e a um tanque.
Na atualidade estes mecanismos passaram a fazer unicamente parte da decoração e para recordar o passado.


    Bomba e Poço de Água

    Bomba e Poço de Água Esta bomba foi dos primeiros utensílios a ser utilizado para retirar a água do poço. Uma maneira manualmente interessante de fornecer água para a população.

    Bomba e Poço de Água

    Bomba e Poço de Água
    Gaeiras mantém orgulhosamente este poço e a respetiva nora que, pela sua localização, pertencia à Quinta de Gaeiras.

    Fonte e Lavadouro Público de Sapataria

    Fonte e Lavadouro Público de Sapataria
    Este lavadouro teve em tempos a sua função como ponto de encontro para a lavagem das roupas dos habitantes próximos.

    Fonte e Poço do Azinhal



    Fonte, Poço e Lavadouro



    Igreja Matriz de Vimioso

    Igreja Matriz de Vimioso
    Igreja Matriz de Vimioso ou Igreja de São Vicente em homenagem ao mártir. A sua inauguração situa-se no período filipino.

    Largo da Aldeia

    Largo da Aldeia No único largo da aldeia, tem ao seu centro três elementos fundamentais para a população, fonte de mergulho, poço e cruzeiro.

    Lavadouro e Poço

    Lavadouro e Poço
    Está situado na parte interior das muralhas, mais concretamente no centro da vila, ao lado da Igreja da Colegiada, com um poço e um pequeno tanque.

    Lavadouro, Poço e Fonte

    Lavadouro, Poço e Fonte
    Este lavadouro teve a sua época, em que as mulheres ali lavavam a roupa suja e punham a conversa em dia.

    Nora

    Nora, um instrumento do tempo antigo para tirar água do poço, situado no meio da Praça das Comunidades.

    Nora



    Nora

    Nora
    Um dos engenhos de obtenção de água e dos primeiros sistemas existentes em Portugal. Baseia-se numa roda para tirar água de poços, cisternas, reservatórios ou outros e que podem ser manobrados por uma ou mais pessoas e também por animais.

    O Poço da Asna

    O Poço da Asna
    Este poço, situado no caminho para o Convento de S. Francisco, é referenciado no século XIX.

    Poço cisterna extra-muros

    Poço cisterna extra-muros Num espaço de poucos metros Marialva possui dois poços cisternas, sendo este poço situado extra-muros da Cidadela, possivelmente numa indicação do aumento da população extra muralhas.

    Poço Cisterna intra-muros

    Poço Cisterna intra-muros Este Poço Cisterna está situada na Cidadela, que atualmente está em ruínas. Feito em tijolo forrado em argamassa, remonta ao século XVI.

    Poço da Escada e Poço d'El Rei

    Poço da Escada e Poço d'El Rei

    Poço de Mergulho Romano

    Poço de Mergulho Romano
    O que distingue este da maior parte dos poços é ser de origem romana, ou seja, de uma época muito mais antiga.

    Poço de Ourique

    Poço de Ourique
    O Poço de Ourique é um conjunto do poço em funcionamento e espaço de descanso, coberto por telhado. Ali pode-se descansar porque também há bancos.

    Poço de São Bartolomeu

    Poço de São Bartolomeu
    Situado muito perto da Igreja Matriz da qual recebeu o nome, o poço de São Bartolomeu servia de bebedouro aos animais.