Mozinhos / Rio Bom - fotos diversas

Panorama de Mozinhos
Mozinhos
Última morada de
Cassilda Aguiar
images 1 3277c
Rio Bom
Moinhos do
Chega-à-Riba
images 2 dbb83
Rio Bom
Moinhos dos
Grelos
images 2 6f09a
Mozinhos - Casa de
Marquinhas Aguiar
images 90576
Mozinhos - Beco
moz2 928cd
Forno - Rio Bom
Moinhos dos Freixos
moz3 8e764
Mozinhos - Rua/Casas
pingarelho e1ad0
Mozinhos
Casa do Pingarelho
s.franc5 75ff3
Mozinhos/Monte de
São Francisco
Alicerces da capela
de São Francisco
Panorama dos antigos moinhos dos Grelos
Panorama dos antigos
moinhos dos Grelos
Castelo de Penedono
Castelo de Penedono
década de 1930, antes
das obras do regime

Mozinhos - sinopse

Do megalitismo, civilização castreja, romanização, invasões godas, ocupação islâmica, reconquista cristã, ao povoamento e organização administrativa do território, aqui fixamos imenso do nosso legado histórico, social, cultural, político e económico.

Realçámos as lutas fratricidas havidas no espaço geográfico de entre Viseu e Lamego; a exaração documental primeira de São João da Pesqueira e de Penela (1055-1065), Numão (1130), Penedono (1195); a descrição e caracterização do património edificado, nomeadamente, do segundo corredor de defesa e de segurança do Douro Sul.

Enaltecemos e transcrevemos muitos dos documentos e memórias, particularmente as episcopais, administrativas e paroquiais, que nos regeram, moldaram e definiram aos logo destes séculos.

Compilámos os registos paroquiais na integra de gente que edificou, povoou e desenvolveu lugares actualmente desertos, onde a nossa observação quase nada retém dos vestígios desses moradores dos séculos: XVI, XVII, XVIII, XIX e XX.

Entre os primeiros forais outorgados a povoações localizadas dentro das actuais fronteiras do território português, o mais antigo é o de S. João da Pesqueira e vilas circunvizinhas.

Na confluência do Rio Bom, que outrora poderia ter outro nome, com o Rio Torto ficou situado um povoado designado Mozinhos. O étimo deste topónimo, antiquíssimo, está no latim: monachinos (de monachu: monge), talvez directamente, pois não se pode provar que tenha existido um termo como Mouzinho ou mozinho do nosso léxico arcaico ou proto-histórico, pelo que o significado do topónimo é monástico…

Concordando com Almeida Fernandes, o fundador e primeiro rei de Portugal nasceu e foi criado no distrito de Viseu, ou seja, veio à luz no Paço da cidadela de Viseu e medrou nas terras de Lamego, como dissemos, região de larga influência moçárabe, quiçá, o seu próprio educador.

No primeiro inquérito de que há registo a população fixada nos limites da actual freguesia do Souto era a seguinte: Souto - 21 moradores; Arcas - 11 moradores; Tracosã - 1 morador. Do século X (960) ficou nota escrita de doação da Condessa de Guimarães de, entre outros haveres, um mosteirinho, pelo que no actual lugar dos Mozinhos existiu um mosteiro. Quanto à poluação de Mozinhos, Trancosã, Rio Bom, Rio Torto e Risca, só a partir dos meados do século XVII. Aliás, as capelas da Senhora da Piedade (Trancosã) e a da Santa Bárbara (Mozinhos), datam, precisamente do século XVII.

Mozinhos, publicado em por