Mosteiro de Santa Maria de Júnias
Mosteiro
Mosteiro de Santa Maria de Júnias
Mosteiro
Mosteiro de Santa Maria de Júnias
Mosteiro
Mosteiro de Santa Maria de Júnias
Entrada

O Mosteiro de Santa Maria de Júnias surgiu como um antigo eremitério pré-românico, no século IX, situado a cerca de um quilómetro da aldeia de Pitões de Júnias, cuja implantação obedeceu a critérios de isolamento. Está situado num vale estreito, de difícil acesso, longe de caminhos e zonas habitadas.

Mosteiro de Santa Maria de Júnias
Mosteiro
Mosteiro de Santa Maria de Júnias
Mosteiro
Mosteiro de Santa Maria de Júnias
Mosteiro

Sendo assim, o atual mosteiro e seus anexos são da primeira parte do século XII, muito antes da fundação da nacionalidade. De estilo predominantemente românico, é identificado através da nave, e do gótico é identificado pela capela-mor e claustro. Mosteiro masculino, era então ocupado por monges da Ordem de São Bento, passando em meados do século XIII para a Ordem de Cister e ficando agregado à Abadia de Oseira, na Galiza.

Entre o início do século XIV e o século XVIII este mosteiro conheceu obras de melhoramento e manutenção, tais como a construção do claustro e a ampliação da capela-mor, passando pela elevação de algumas dependências do convento e da capela-mor, finalizando com a restauração da igreja no que respeita ao madeiramento e lajeamento, redecorada com retábulos em talha dourada.

Mosteiro de Santa Maria de Júnias
Ruínas
Mosteiro de Santa Maria de Júnias
Ruínas
Mosteiro de Santa Maria de Júnias
Ruínas

De planta trapezoidal, o templo encontra-se no lado norte e as dependências conventuais no lado sul. A parte conventual divide-se em duas partes, sendo a primeira o dormitório dos monges, que se situava paralelo ao rio, e a segunda em que a cozinha, que ainda mantém a sua chaminé piramidal, se situava perpendicularmente à primeira. Do antigo claustro românico ainda se conservam três arcos da galeria encostados à igreja.

Mosteiro de Santa Maria de Júnias
Fachada
frontal
Mosteiro de Santa Maria de Júnias
Portal

Tem uma única nave e uma capela-mor, em que esta é a estrutura melhor conservada do cenóbio. Na frontaria românica, rematada por uma empena truncado por um campanário seiscentista de dois olhais, abre-se um belo portal com um arco de volta perfeita, com uma primeira  arquivolta lisa e uma segunda, exterior, adornada com lancetas, por sua vez envolvida por um friso com decoração geométrica.

Este mosteiro, como se pode observar, mantém o seu templo em boas condições estando o resto dos anexos em ruínas, mantendo-se assim desde a segunda metade do século XIX, período em que sofreu um devastador incêndio. Mesmo assim não deixa de estar classificado como Monumento Nacional desde 1950.

Coordenadas GPS: N 41 49.875' W 007 56.560'  (41.83125, -7.94267)

Temas / Tags

Pitões das Júnias, publicado em por