Pertencendo Freixo de Numão a uma região fortemente arqueológica, o Castelo Velho constituiu-se num Sítio Arqueológico que se crê ter sido ocupada desde antes de 3000 a.C. a 1300 a.C.

Primeira Fase

Castelo Velho

Esta era esteve compreendida entre a Idade do Cobre e a Idade de Bronze, tendo sido considerado um dos povoados mais importantes do Noroeste da Península Ibérica.

 
Castelo Velho
Castelo Velho
Castelo Velho
Castelo Velho

Este Sítio Arqueológico foi uma descoberta relativamente recente, corresponde a três fases importantes. A primeira fase é anterior ao terceiro milénio a.C., quando se registou uma breve ocupação que, entretanto, permitiu que fossem erguidas estruturas habitacionais, como testemunham alguns buracos de poste, lareiras e fragmentos de cerâmica.

Data desse período a edificação de um torreão com evidências de ter sido utilizado até cerca de 1300 a.C.

Segunda Fase

Castelo Velho
Castelo Velho
Castelo Velho
Castelo Velho

A segunda fase corresponde entre 2900 a.C. e o início do segundo milénio a.C. Abrange a edificação, na cota mais alta do esporão, do que se considera um monumento de planta sub-elíptica delimitado por uma pequena muralha e complementado a sul por um recinto subcircular, bem como uma plataforma intermédia circundada por uma rampa ou talude, com átrio.

Datam deste período algumas cabanas a ele associadas e diversos fragmentos de cerâmica, dormentes e moventes graníticos, pontas de seta, pesos de tear, diversos objetos de cobre e um de ouro, contas de colar e outros elementos de adorno.

Terceira Fase

A terceira fase decorreu entre o início do segundo milénio a.C. e 1300 a.C., continuando as primitivas estruturas a ser utilizadas, enquanto se reconstruía uma rampa e se erguiam estruturas perecíveis. Data desta fase um espólio constituído por vasos cerâmicos com motivos decorativos.

Classificação

Este Sítio Arqueológico está classificado como Sítio de Interesse Público.

Localização

Coordenadas GPS: N 41 04.375' W 007 11.565'  (41.07292, -7.19275)

Temas / Tags

Freixo de Numão, publicado em por