A Igreja de São Martinho de Mouros é considerada uma das mais originais igrejas do românico portuguesas pelas soluções construtivas empregues.

A Igreja e a Torre

Igreja Matriz - Fachada oeste
Fachada oeste
Igreja Matriz - lateral norte
Fachada norte
Igreja Matriz - lateral sul
Fachada sul

A Igreja de São Martinho de Mouros é considerada uma das mais originais igrejas do românico portuguesas pelas soluções construtivas empregues que lhe conferem um estatuto único na produção arquitetónica nacional dos séculos XII e XIII.

Existe uma inscrição, na fachada lateral norte, do ano de 1217, que poderá corresponder ou ao início da construção ou à finalização da primeira fase, da cabeceira. Pode ler-se esta inscrição na fachada norte, na primeira fiada acima da sapata e quinto silhar a contar da direita.

Igreja de São Martinho
Igreja de São Martinho

A fachada principal, no setor ocidental do templo, é a marca diferenciada do projecto. A frontaria integra uma torre defensiva de dois andares. Esta torna-se mais delgada no registo superior com uma banda lombarda a suportar a cornija que antecede a área sineira, sendo esta mais estreita que a restante estrutura.

Na década de 1940 foram feitos restauros na fachada principal e no recinto ao redor da igreja. Na década de 1960 foram restauradas a capela-mor e a sacristia, tal como a partir da década de 1990 ocorreram diversas obras de manutenção.

O Portal

Portal Oeste
Portal Oeste

O portal axial é de arco apontado, aberto numa parede, composto por quatro arquivoltas, sendo a exterior uma moldura de xadrez. O desaparecido alpendre fez parte do plano inicial, de que restam as mísulas de suporte do telhado.

A Torre

Torre da Igreja
Torre da Igreja

Na torre, o seu interior é suportado por três altos e apertados arcos de volta perfeita, de perfil harmónico, que regulam o corpo do templo de três naves. Têm correspondência com contrafortes laterais, facto que sublinha a robustez do plano.

É possível que o espaço formado pela torre, verdadeiro nartex, fosse inicialmente sobradado, o que diferenciaria funcionalmente os compartimentos inferior e superior, mas nada se pode adiantar.

Fotos Antigas

Igreja de São Martinho de Mouros, 1944
Foto de 1944
Igreja de São Martinho, foto antiga
Foto antiga (s.d.)

(Fotos antigas e fotos de interior inseridas com devida autorização da Rota do Românico)

Interior da Igreja

Igreja de São Martinho de Mouros
Nave - Altar-mor
Igreja de São Martinho de Mouros
Nave
Entrada
Igreja de São Martinho de Mouros
Teto da Nave

A nave única relativamente estreita e a capela-mor quadrangular é mais baixa que o corpo e acessível por arco triunfal apontado.

Os retábulos são de conceção barroca nacional, sendo os da nave mais simples que o da capela-mor. Salienta-se os retábulos do Senhor das Chagas, da Nossa Senhora do Rosário e da Senhora do Desterro.

Na capela-mor estão duas pinturas relativas à vida de São Martinho, de cerca de 1530, atribuídos aos Mestres de Ferreirim, enquanto nas paredes colaterais as pinturas são mais antigas, do final do século XV.

Rota do Românico

Placa da Rota do Românico
Rota do
Românico

Esta igreja faz parte da Rota do Românico, sendo o número 30 do Percurso do Vale do Douro.

Classificação

A Igreja de São Martinho de Mouros está classificada como Monumento Nacional desde 1922.

Localização

Coordenadas GPS: N 41 06.119' W 007 53.923'  (41.10198, -7.89872)

Temas / Tags

São Martinho de Mouros, publicado em por

 

Comentar


Código de segurança
Atualizar


Os Mais Próximos


Pelourinho de São Martinho de Mouros
São Martinho de Mouros, Resende
(145 m NE)

Capela de Santa Ana
São Martinho de Mouros, Resende
(193 m NE)

Igreja Matriz de Barrô
Barrô, Resende
(3 km NE)

Mosteiro de Santa Maria de Cárquere
Cárquere, Resende
(5 km W)

Estilo Barroco

Igreja Matriz


Igreja Matriz de Tentúgal
Tentúgal, Montemor-o-Velho

Igreja Matriz de Aldeia de Joanes
Aldeia de Joanes, Fundão

Igreja do Salvador
Lufrei, Amarante

Igreja Matriz de Alquerubim
Alquerubim, Albergaria-a-Velha

Monumento Nacional

O Românico na Europa e em Portugal


Percurso do Vale do Douro

Rota do Românico


Torre do Castelo
Aguiar de Sousa, Paredes

Igreja de São Vicente de Sousa
Torrados e Sousa, Felgueiras

Memorial de Alpendorada
Vila de Alpendorada, Marco de Canaveses

Ponte de Esmoriz
Ancede, Baião

São Martinho


Igreja Paroquial de Macieira de Alcôba
Macieira de Alcôba, Águeda

Igreja de São Martinho
Caramos, Felgueiras

Igreja Matriz de Ruivães
Ruivães, Vieira do Minho

Igreja de Mancelos
Mancelos, Amarante

Século XIII


Igreja de Santiago de Antas
Antas, Vila Nova de Famalicão

Igreja Matriz do Outeiro
Outeiro, Bragança

Os Mais Vistos


Lapa de Santa Margarida
Portinho da Arrábida, Setúbal

Ermida de Nossa Senhora da Lapa
Soutelo, Vieira do Minho

Ponte das Três Entradas
Ponte das Três Entradas, Oliveira do Hospital

Aqueduto das Águas Livres


Aqueduto da Venteira
Venteira, Amadora

Aqueduto do Olival do Santíssimo
Almargem do Bispo, Sintra

Aqueduto em São Domingos
São Domingos de Benfica, Lisboa

Aqueduto na Mina de Água
Mina de Água, Amadora

Câmara Municipal

Lavadouros


Chafariz Real
Vendas Novas

Fonte da Bica e Lavadouro
Degracia Cimeira, Gavião

Fonte de Ouguela
Ouguela, Campo Maior

Fonte do Olival Santo e Lavadouros
Sancheira Grande, Óbidos

Fonte e Lavadouro
Macinhata do Vouga, Águeda

Palácios

Povoados Pré-romanos


Castro de Lanhoso
Póvoa de Lanhoso

Citânia de Briteiros
Briteiros (São Salvador), Guimarães

Citânia de Sanfins
Sanfins, Paços de Ferreira

Citânia de Santa Luzia
Areosa, Viana do Castelo

Cividade de Terroso
Terroso, Póvoa de Varzim

Santa Brígida


Igreja de Santa Brígida
Marmelar, Vidigueira

Século XI

Século XVI

Século XVIII

Torre Sineira


A nossa Igreja
Freches, Trancoso

Antiga Igreja Matriz
Vila Pouca de Aguiar

Antiga Matriz de Alcoentre
Alcoentre, Azambuja

Antigos Paços do Concelho
Castelo Novo, Fundão