Designada também como Igreja de Nossa Senhora de Assunção, tem tanto de modestas dimensões como de importante.

Origem da Igreja

Igreja Matriz
Fachada frontal
Igreja Matriz - porta
Porta Frontal
Igreja Matriz - rosácea
Rosácea

Designada também como Igreja de Nossa Senhora de Assunção, esta igreja, construída na segunda metade do século XIII, tem tanto de modestas dimensões como de importante.

Tal importância deve-se ao seu quadro do nascente Reino de Portugal, pelas doações feitas, primeiro por D. Afonso Henriques a D. Egas Moniz, e depois mais tarde pela nora deste, D. Sancha Vermudas, à Ordem dos Hospitalários.

Igreja e Paisagem
Paisagem

A igreja situa-se num ponto alto com uma excelente paisagem sobre o vale do Douro.

Estrutura

A igreja é composta por nave única e capela-mor mais alta, devido à inclinação do terreno onde foi construída, havendo por isso dois degraus que ligam a nave à capela-mor, além dos degraus que conduzem à entrada do templo.

Fachada Principal

Igreja - Portal oeste
Pormenor
Igreja - Portal oeste
Portal Oeste
Igreja - Portal oeste
Pormenor

A fachada principal organiza-se em dois generosos registos, correspondendo o primeiro ao portal axial em arco apontado de três arquivoltas, com capitéis decorados com elementos vegetalistas. O segundo corresponde ao óculo circular inscrito em moldura pórtica reentrante, numa rosácea de dois círculos.

Entre os dois andares exibem-se três bustos humanos que originalmente serviam de mísulas a um desaparecido alpendre.

Os capitéis do portal, onde assentam as arquivoltas, têm decoração vegetalista e floral. O tímpano é decorado com uma cruz vazada bastante elaborada.

Fachadas Laterais

Igreja Matriz - lateral sul
Fachada sul
Igreja Matriz - porta norte
Porta norte
Porta sul
Porta sul

Os portais laterais são rasgados no muro, com tímpano liso sobre mísulas. O portal norte apresenta arquivoltas com um arco exterior enxaquetado, que não existem no portal sul. Além disto, no portal norte existiu um alpendre denunciado pelas mísulas que lá podemos ainda ver.

Além destas aberturas existem ainda as típicas frestas em ambos os lados.

De destacar ainda os cachorros que sustentam o telhado, lisos na fachada sul e trabalhados na fachada norte.

Fachada leste
Fachada leste e pormenor
Fachada norte
Fachada norte

Torre Sineira

Na época moderna, a igreja foi objecto de enriquecimentos, como no século XVII em que se construiu a Torre Sineira quadrangular, anexa à face meridional da fachada principal, parcialmente intervencionada em 1980.

Capela-mor

Igreja - Interior
Nave - Capela-mor
Igreja - Altar-mor
Altar-mor
Igreja de Barrô em 1965
Igreja em 1965

(Foto antiga e fotos de interior inseridas com a devida autorização da Rota do Românico)

O arco triunfal, que separa a nave da capela-mor, apesar de ser em perfil apontado, revela igualmente a qualidade e relevância do projecto no quadro românico português. Os capitéis são decorados com motivos zoo e antropomórficos, em concreto cenas de caçada, plenas de movimento e dinamismo.

A capela-mor, com os seus três tramos, evidencia uma qualidade relativamente superior à generalidade das construções de então.

Salienta-se o Calvário com o Cristo Crucificado, Maria e São João.

Retábulos

No período áureo do barroco realizaram-se os retábulos de talha dourada, em particular o principal, de estrutura tripartida apoiada em colunas salomónicas. A igreja foi restaurada nas décadas de cinquenta e sessenta do século passado.

Classificação

Está classificado como Monumento Nacional desde 1922.

Rota do Românico

Rota do Românico
Rota do
Românico

Esta Igreja Matriz de Barrô faz parte da Rota do Românico, tendo o número 31 no Percurso do Vale do Douro.

(Fotos em formato 16x9 de Fernando Dias, as indicadas da Rota do Românico
e as restantes de Pedro Castro)

Localização

Coordenadas GPS: N 41 07.746' W 007 52.971'  (41.12910, -7.88285)
Barrô, publicado em por

Comentar


Código de segurança
Atualizar

Recentes