Fortaleza
Fortaleza
Fortaleza

Quanto à origem do castelo há uma divergência, sendo que a informação mais antiga aponta para o reinado de D. Sancho II, do tempo de Pero Novais, que confirmou o foral de Elvas na qualidade de alcaide do Castelo de Cerveira. A outra versão aponta para que a primitiva construção do castelo remonte à época de Afonso III.

A fortaleza de hoje corresponde à dinâmica levada a cabo pelo Rei D. Dinis em 1317 para receber habitantes, e que se renovaram quatro anos depois, e que com este facto o Monarca outorga a carta foral ao burgo. De planta oval, típica das fortalezas góticas, possui oito torres quadrangulares, sendo cinco expostas a sul, a parte da fortaleza mais vulnerável aos ataques. O projecto Dionisino é marcado através das armas do Monarca a encimar o portal gótico, e o que resta de um matacães. O interior da fortaleza tem as suas duas portas ligadas entre si a sul viradas para o terreiro da feira, a Porta da Vila (atualmente Nossa Senhora da Ajuda), e a norte um postigo, denominada Porta da Traição, virada para o rio.

Fortaleza
Fortaleza
Fortaleza
Fortaleza

Após esta época Dionisina, o castelo veio a sofrer muitas alterações com reajustamentos as épocas, começando com o Monarca D. Fernando, no século V, continuando no século XVII com grandes adaptações no âmbito das Guerras da Restauração, vindo a constituir um verdadeiro baluarte contra os espanhóis, contribuindo para a defesa da linha do Minho.

Entretanto, o século XIX representou o início da destruição deste castelo, começando com a Torre de Menagem e seguindo-se a muralha norte, com a supressão da porta do Cais. Já nos finais deste século o recinto amuralhado que foi doado à Câmara Municipal, no âmbito da restruturação urbanística, a segunda linha de muralhas foi destruída.

Atualmente parte deste castelo está transformado na Pousada D. Dinis, e o restante acolhe todos os visitantes que o queiram percorrer, sendo possível ver-se a Casa da Câmara e Cadeia, o Pelourinho, a Igreja da Misericórdia, quartéis, paióis e a cisterna. Na entrada principal encontra-se a Capela de Nossa Senhora de Ajuda.

O que resta deste atribulado Castelo, e na permanência de continuar com o que resta, em 1946 entrou para os Imóveis de Interesse Público.

Correspondendo à porta principal, são as Coordenadas GPS: N 41 56.425' W 008 44.654'  (41.94042, -8.74423)

Temas / Tags

Vila Nova de Cerveira, publicado em por

 


Os Mais Próximos


Capela de Nossa Senhora da Ajuda
Vila Nova de Cerveira
(0 m NE)

Praça da Liberdade
Vila Nova de Cerveira
(32 m E)

Igreja da Misericórdia
Vila Nova de Cerveira
(42 m NW)

Igreja Matriz de Vila Nova de Cerveira
Vila Nova de Cerveira
(43 m S)

Solar dos Castros
Vila Nova de Cerveira
(43 m S)

Castelos

Imóvel de Interesse Público


Torre do Castelo
Aguiar de Sousa, Paredes

Igreja Nossa Senhora da Conceição
Atouguia da Baleia, Peniche

Pelourinho de Manique do Intendente
Manique do Intendente, Azambuja

Portas da Cidade ou do Castelo

Os Mais Vistos


Lapa de Santa Margarida
Portinho da Arrábida, Setúbal

Ermida de Nossa Senhora da Lapa
Soutelo, Vieira do Minho

Ponte das Três Entradas
Ponte das Três Entradas, Oliveira do Hospital

Câmara Municipal

Estilo Gótico

Igreja Matriz


A Igreja Matriz, a Albergaria
Arrifana, Vila Nova de Poiares

Antiga Igreja Matriz
Vila Pouca de Aguiar

Capela da Senhora da Soledade
Olhão da Restauração, Olhão

Capela de Nossa Senhora da Saúde de Fetais
Santo Quintino, Sobral de Monte Agraço

Pelourinhos


Pelourinho
Castelo Bom, Almeida

Pelourinho
Castelo Mendo, Almeida

Pelourinho
Terena, Alandroal

Percurso do Vale do Douro


Capela de Fandinhães
Paços de Gaiolo, Marco de Canaveses

Igreja Matriz de São Martinho de Mouros
São Martinho de Mouros, Resende

Igreja de Santa Maria Maior
Tarouquela, Cinfães

Povoados Pré-romanos


Castro de Lanhoso
Póvoa de Lanhoso

Citânia de Briteiros
Briteiros (São Salvador), Guimarães

Citânia de Sanfins
Sanfins, Paços de Ferreira

Citânia de Santa Luzia
Areosa, Viana do Castelo

Rota do Românico


Capela de Fandinhães
Paços de Gaiolo, Marco de Canaveses

Castelo de Arnóia
Arnóia, Celorico de Basto

Século XI

Século XVI

Século XVIII