A igreja atual foi feita em 1569 por reconstrução da primeira, de 1149, após a conquista do castelo de Abrantes por D. Afonso Henriques.

História do Templo

Igreja de S. Vicente
Igreja de São Vicente

A Igreja de São Vicente acabou por espelhar a situação que se vivia no início do reino de Portugal, com a expulsão dos muçulmanos e com as várias campanhas de construção. Sob o orago do mártir lisboeta, a igreja que leva o nome de São Vicente foi fundada em 1149 após a tomada do castelo da vila de Abrantes por D. Afonso Henriques.

Já funcionava como sede da paróquia quando em 1179 a vila sofre uma tentativa de posse por parte do exército mouro, acabando por se ficar só no cerco mas deixando o seu rasto de destruição. O templo, que também sofrera com esta destruição, acabou por ser reconstruído.

Terminadas as disputas territoriais e após uma longa calmia de vários séculos, a Igreja de São Vicente vê novamente a ser discutida uma outra campanha de construção quando, em 1565, a primitiva se encontrava em ruínas, tendo sido definida a sua reedificação.

Decorria o ano de 1569 quando a reconstrução teve início e com o especial interesse real de D. Sebastião que ordenou o Corregedor de Tomar a proceder à reconstrução do templo. Francisco Lopes e Pedro Antunes foram os oficiais do estaleiros do Convento de Cristo de Tomar que edificaram as capelas laterais, acabando por ficar a cargo do arquiteto militar Mateus Fernandes, para o que tomou posse em 1595, vindo a concluir o templo em 1605.

Neste ano abriu ao culto e voltou a ser sede da paróquia, o que tinha perdido no ano em que teve o início da reconstrução.

Fachada Principal

Igreja de S. Vicente
Sul e leste

A fachada principal é constituída por três panos, estando ladeados à direita por uma torre sineira quadrangular com uma cobertura piramidal forrado a azulejos e à esquerda simplesmente por uma sineira.

O pano central é rematado em empena com pináculos. Apresenta um arco de volta perfeita inserido numa estrutura retabular conforme o modelo das fachadas-retábulo, dando-lhes um toque maneirista e com uma decoração ornamentalista e imprimindo-lhes formas depuradas ao gosto classicista.

O portal está ladeado por duas colunas, em que assenta uma janela que se ladeia por nichos de ordem coríntia. Estes estão ladeados por duas colunas jónicas onde assenta o remate com um frontão triangular. São encimados por um óculo. Nos panos laterais existem quatro janelas que iluminam as naves laterais.

Descrição do Interior

Igreja de São Vicente - nave lateral esquerda
Nave lateral esquerda
Igreja de São Vicente - nave central
Nave central
Igreja de São Vicente - nave lateral direita
Nave lateral direita

Com uma planta longitudinal, é formada por três naves retangulares com uma nave central e duas laterais, capela-mor, capelas laterais e sacristia anexa.

O interior é formado por três naves diferenciadas e seis tramos divididos por arcos de volta perfeita assentes em colunas toscanas. Termina com um coro-alto com uma cobertura em abóbada de cruzaria de ogivas rebaixadas.

As naves estão igualmente cobertas por abóbadas diferenciadas de berço e caixotões.

Igreja de São Vicente - retábulo altares
Igreja de São Vicente - altar
Igreja de São Vicente - altar
Igreja de São Vicente - altar
Retábulos de três altares
 

Cada uma das naves laterais possui três altares de pedra maneiristas correspondentes às duas últimas décadas do século XVI, sendo alguns destes retábulos de pedra originários das oficinas de Tomar. São revestidos de painéis de azulejos seiscentistas azuis e amarelos, com representações da temática vicentina.

A capela-mor é separada por um arco de volta perfeita, tem ao centro o retábulo de talha com crucifixo indo-português na tribuna. O teto está igualmente coberto em abóbada, mas de caixotões.

Igreja de São Vicente - arco com azulejos
Igreja de São Vicente - azulejos
Igreja de São Vicente - azulejos
Igreja de São Vicente - azulejos a contornar o retabulo
Azulejaria
 
Igreja de São Vicente - Capela lateral direita
Capela lateral
direita
Igreja de São Vicente - epístola
Epístola
Igreja de São Vicente - epístola
Epístola
Igreja de São Vicente - candelabro de madeira
Batistério

Localização

A Igreja de São Vicente situa-se no limite norte da parte antiga de Abrantes, no Adro de São Vicente, próximo do castelo.

Coordenadas GPS: N 39 27.857' W 008 11.869'  (39.46428, -8.19782)

Temas / Tags

Abrantes, publicado em por

 


Os Mais Próximos


Memorial
Abrantes
(39 m E)

Teatro de São Pedro
Abrantes
(65 m SW)

Casa Falcão
Abrantes
(135 m S)

Casa da Câmara Municipal
Abrantes
(154 m S)

Praça Raimundo Soares
Abrantes
(160 m S)

Estilo Maneirista


Igreja da Misericórdia
Miranda do Douro

Fortim da Areosa
Areosa, Viana do Castelo

Convento dos Grilos
São Nicolau, Porto

São Vicente


Igreja Matriz de Paio Mendes
Paio Mendes, Ferreira do Zêzere

Igreja Matriz de Guadramil
Guadramil, Bragança

Igreja Matriz de Reigada
Reigada, Figueira de Castelo Rodrigo

Século XII


Igreja de Santa Maria Maior
Tarouquela, Cinfães

Basílica dos Mártires
Santa Maria Maior, Lisboa

Castelo Rodrigo
Castelo Rodrigo, Figueira de Castelo Rodrigo

Mosteiro de Santa Maria de Pombeiro
Pombeiro de Ribavizela, Felgueiras

Torre Sineira


Igreja de São Romão
Arões (São Romão), Fafe

Igreja Românica de São Vicente da Chã
São Vicente da Chã, Montalegre

Igreja Matriz de Castelo Mendo
Castelo Mendo, Almeida

Os Mais Vistos


Lapa de Santa Margarida
Azeitão, Setúbal

Igreja de S. Simão
Azeitão, Setúbal

Ermida de Nossa Senhora da Lapa
Soutelo, Vieira do Minho

Ponte das Três Entradas
Ponte das Três Entradas, Oliveira do Hospital

Ermida ou capela isolada

Estilo Rococó

Estilo Romântico

Igreja e Hospital da Misericórdia


Imóvel de Interesse Público

Povoados Pré-romanos


Castro de Lanhoso
Póvoa de Lanhoso

Citânia de Briteiros
Briteiros (São Salvador), Guimarães

Citânia de Sanfins
Sanfins, Paços de Ferreira

Citânia de Santa Luzia
Areosa, Viana do Castelo

Senhor Jesus


Alto do Senhor da Boa Morte
Vila Franca de Xira

Basílica da Estrela
Estrela, Lisboa

Bom Jesus das Mós
Carvalheira, Terras de Bouro

Capela Corpo de Deus
Pindelo, Oliveira de Azeméis

Século XVI

Século XVIII