O Teatro Municipal de São Luiz, uma das mais importantes salas de teatro de Lisboa, foi inaugurado em 22 de maio de 1894 com o nome de Teatro Dona Amélia, então rainha de Portugal.

Construção

Teatro Municipal de São Luiz

O ator e empresário de uma companhia de teatro profissional do Rio de Janeiro, Guilherme da Silveira, chega a Portugal com uma fortuna recente adquirida no Brasil. Com vontade de criar um teatro, constituiu uma sociedade com diversos investidores para o fazer construir.

O local escolhido foi a Rua do Tesouro Velho, que agora se chama Rua António Maria Cardoso, em terrenos pertencentes à Casa de Bragança, que era também a proprietária de outros terrenos daquela zona da cidade. Entre os investidores conta-se o que foi o grande impulsionador Luís de Braga Júnior, o Visconde São Luiz de Braga.

O projeto esteve a cargo do arquiteto francês Ernest-Louis Reynaud e com ele o teatro obteve o aspeto parisiente e cosmopolita, conforme vontade da sociedade.

Inauguração

É assim inaugurada 22 de maio de 1894 uma das mais importantes salas de teatro de Lisboa com o nome de Theatro Dona Amélia, então rainha de Portugal. Estreou com a ópera italiana "A Filha do Tambor-Mor", de Offenbach, e por ali passaram grandes nomes do teatro.

O Cinematógrapho

Em 15 de agosto de 1896 uma grande renovação acontece quando o Teatro D. Amélia é a segunda sala, a seguir ao Coliseu, a mostrar a projeção de um filme. Esta era feita num ecran provisório e durante o intervalo ou final das peças de teatro. Nasce assim o Cinematógrapho – A Fotografia Animada, que teve, como em qualquer inovação, vozes a favor que afirmavam ser uma grande melhoria e vozes contra que diziam que esta novidade não tinha qualquer interesse.

Guilherme de Silveira, gestor do teatro durante cinco anos, transfere a gestão para o Visconde São Luiz pouco antes de morrer, em 1900.

Teatro República

Em 1910, com o fim da monarquia e a fuga da família real para o Brasil, o Visconde de São Luiz resolve alterar o nome do teatro. Passa assim do nome da rainha para Teatro República, em honra do regime então iniciado.

Incêndio e Reconstrução

Na noite de 12 para 13 de setembro de 1914 um grande incêndio destrói o teatro por completo. A sua reconstrução, de novo impulsionada pelo Visconde, fica a cargo do arquiteto Tertuliano Marques. Este teve a indicação para seguir a linha original, sendo então a sala reinaugurada e reaberta em 16 de janeiro de 1916.

Em 1917 a gestão do teatro passa do Visconde de São Luiz para António Ramos, outro dos sócios da fundação.

A família Ortigão Ramos, herdeira de António Ramos, adquire os terrenos à Casa de Bragança e no ano seguinte, pela morte do Visconde de São Luiz, mudam-lhe o nome para Teatro São Luiz, em sua homenagem.

Inicia o Cinema

Em 1928 a sala de teatro é adaptada a cinema e de novo mudou de nome para São Luiz Cine. A estreia, em 7 de abril desse ano, foi feita com o filme "Metropolis" de Fritz Lang, acompanhado por uma orquestra de quinze elementos dirigida pelo maestro Pedro Blanc.

Dois anos depois houve de novo a adaptação necessária para se tornar no primeiro cinema sonoro em Portugal e em 1930 estreia a sala adaptada com o filme Prémio de Beleza, de Augusto Genina.

São Luiz e Alvalade

Como nota curiosa, na década de 1960 eram ali exibidos filmes em conjunto com o Cinema Alvalade. O problema é que, para reduzir custos, era a mesma bobina do filme que era projetada no São Luiz e daí levada para o Cinema Alvalade onde os espetadores tinham que aguardar a chegada.

O filme era composto por várias bobinas. Se havia problemas no trânsito para chegar a bobina seguinte, os espetadores tinham que ficar pacientemente à espera da sua chegada e da continuação do filme.

Aquisição pela Câmara Municipal

Talvez por causa deste problema e do pouco interesse nessa novidade que era o cinema, a partir de 1960 a audiência começou a reduzir drasticamente, o que fez com que tentassem fazer voltar o teatro, mas sem grande sucesso.

Em 1971 a sala do teatro, já com pouco ou nenhum público, foi adquirida pela Câmara Municipal de Lisboa, que lhe mudou o nome para o atual, Teatro Municipal de São Luiz. Mas o mal estava feito e desde então teve momentos melhores e piores, mas nunca voltando ao sucesso e à importância de antigamente.

Remodelação do Teatro

Em 1990 o espaço foi cedido à Companhia Teatral do Chiado e ao ator Mário Viegas, que ali criou diversas atividades e ações culturais.

Em 1998 foi iniciada nova remodelação do edifício, com base no projeto do arquitecto Francisco Silva Dias. Com esta remodelação, além da ampliação e remodelação da sala de teatro, acrescentou-se uma sala estúdio, um café concerto e um restaurante, cada um com o seu autor de projeto e apoio.

Em julho de 2016 foi atribuído à sala principal o nome de Luís Miguel Cintra, homenageando assim o ator.

Localização

Coordenadas GPS: N 38 42.555' W 009 08.548'  (38.70925, -9.14247)

Referências

Temas / Tags

Santa Maria Maior, publicado em por

 


Os Mais Próximos

Teatro Nacional de São Carlos
Teatro Nacional de São Carlos
Santa Maria Maior, Lisboa
(85 m NE)
Museu Nacional da Arte Contemporânea
Museu Nacional da Arte Contemporânea
Santa Maria Maior, Lisboa
(129 m SE)
Igreja de Nossa Senhora da Encarnação
Igreja de Nossa Senhora da Encarnação
Misericórdia, Lisboa
(145 m N)
Igreja de Nossa Senhora do Loreto
Igreja de Nossa Senhora do Loreto
Santa Maria Maior, Lisboa
(161 m N)
Basílica dos Mártires
Basílica dos Mártires
Santa Maria Maior, Lisboa
(180 m NE)

Século XIX

Engenho de Açucar
Engenho de Açucar
Porto da Cruz, Machico
Palacete Mesquita
Palacete Mesquita
Ermesinde, Valongo
Igreja de Nossa Senhora da Graça
Igreja de Nossa Senhora da Graça
Águas Belas, Ferreira do Zêzere

Teatro e Cinema

Os Mais Vistos

Lapa de Santa Margarida
Lapa de Santa Margarida
Azeitão, Setúbal
Ermida de Nossa Senhora da Lapa
Ermida de Nossa Senhora da Lapa
Soutelo, Vieira do Minho
Igreja de S. Simão
Igreja de S. Simão
Azeitão, Setúbal
Ponte das Três Entradas
Ponte das Três Entradas
Ponte das Três Entradas, Oliveira do Hospital

Aqueduto das Águas Livres

Aqueduto da Venteira
Aqueduto da Venteira
Venteira, Amadora
Aqueduto do Olival do Santíssimo
Aqueduto do Olival do Santíssimo
Almargem do Bispo, Sintra
Aqueduto em São Domingos
Aqueduto em São Domingos
São Domingos de Benfica, Lisboa
Aqueduto na Mina de Água
Aqueduto na Mina de Água
Mina de Água, Amadora

Cruzeiros

Imóvel de Interesse Público

Santa Maria

São Martinho

Século X

Castelo de Arnoia
Castelo de Arnóia
Arnóia, Celorico de Basto
Castelo de Faria
Castelo de Faria
Pereira, Barcelos

Século XIII

Século XIV

Torre Sineira

Antiga Igreja Matriz
Antiga Igreja Matriz
Vila Pouca de Aguiar
Antiga Matriz de Alcoentre
Antiga Matriz de Alcoentre
Alcoentre, Azambuja
Antigos Paços do Concelho
Antigos Paços do Concelho
Castelo Novo, Fundão