A grandiosidade do Mosteiro de São Martinho de Tibães não se refere só ao edifício mas a toda a zona circundante. Remonta ao período anterior à Nacionalidade ao ser fundado na segunda metade do século XI.

Fundação do Mosteiro

Mosteiro de Tibães
Recinto e Cruzeiro
Mosteiro de Tibães
Lateral do Mosteiro

A grandiosidade do Mosteiro de São Martinho de Tibães não se refere só ao edifício mas a toda a zona circundante. Remonta ao período anterior à Nacionalidade ao ser fundado na segunda metade do século XI. Recebeu em 1110 a Carta do Couto das mãos de D. Henrique e da sua mulher Dona Teresa, os pais do primeiro rei de Portugal, D. Afonso Henriques.

Ampliação nos séculos XVI e XVII

Mosteiro de Tibães
Fachada oeste

O seu poderio patrimonial começou logo no decorrer da Baixa Idade Média, ao ponto de ser necessária uma campanha de obras de ampliação do mosteiro entre 1530 e 1550, pela mão do então abade Comendatário D. António de Sá.

Estas obras acabaram por serem úteis, dando uma continuidade de prestígio que o mosteiro atingiu, tendo sido em 1567 transformado na escola-mãe da Congregação de São Bento em Portugal e Brasil.

Todavia, quanto maior foi a expansão mais depressa foi a queda. Devido à decadência das antigas instalações e aos meios atribuídos pela Congregação, foi possível uma verdadeira campanha de obras cujos resultados duram até agora.

Mosteiro de Tibães
Igreja do Mosteiro

As obras começaram pela igreja ao ser erguida no local do antigo templo românico, seguindo a reorganização do claustro do refeitório e, finalmente, a construção do claustro do cemitério. As restantes obras, como as alas conventuais que incluíam a portaria, recibo, dormitório, hospedaria, sala do capítulo e livraria, acabariam por terminar até ao ano de 1700.

Nestas obras que se realizaram entre 1628 e 1661, a igreja tornou-se num dos templos mais grandiosos do País e num dos maiores marcos da arte barroca. Chegou ao ponto de o estaleiro do mosteiro servir de escola de aprendizagem da arte em questão ao mestres, escultores e demais imaginários de todo o norte do País.

Venda do Mosteiro

Mosteiro de Tibães
Fachada Sul
Mosteiro de Tibães
Nicho
Mosteiro de Tibães
Pormenor

Após o terrível ano de 1864 para as Ordens Religiosas, o mosteiro acabou por ser vendido tal como toda a sua área circundante de quarenta hectares, tendo a parte agrícola servido para esse fim e o templo religioso com os claustros servido para a Igreja Paroquial.

Em 1894 o restante conjunto conventual acabou por sofrer um incêndio ao ponto de, no século XX, o edifício atingir um estado de abandono e alastrando-se à ruína. Em 1986 passou a pertencer ao Estado.

Desde então, o conjunto conventual tem sido progressivamente recuperado, ao ponto de refundar uma Comunidade Religiosa, criar um museu e, o mais importante, um centro de informação sobre as Ordens Monásticas, tendo em conta a importância e grandiosidade do mosteiro na rota Beneditina em Portugal.

Classificação

A classificação de Imóvel de Interesse Público considera o conjunto conventual e toda a área circundante. Atualmente está em estudo a reclassificação para Monumento Nacional.

Localização

Coordenadas GPS: N 41 33.373' W 008 28.734'  (41.55622, -8.47890)

Temas / Tags

Mire de Tibães, publicado em por

 


Os Mais Próximos

Cruzeiro de Tibães
Cruzeiro de Tibães
Mire de Tibães, Braga
(173 m N)
Capela de S. Frutuoso
Capela de S. Frutuoso
Real, Braga
(3 km E)
Casa Grande
Casa Grande
Braga
(4 km E)
Fonte das Hortas
Fonte das Hortas
Braga
(4 km E)

Claustro

Conventos e Mosteiros

Imóvel de Interesse Público

Solar de Visconde de Almendra
Solar de Visconde de Almendra
Almendra, Vila Nova de Foz Côa
Pelourinho de Canas de Santa Maria
Pelourinho de Canas de Santa Maria
Canas de Santa Maria, Tondela
Pelourinho de Pinhovelo
Pelourinho de Pinhovelo
Pinhovelo, Macedo de Cavaleiros

Museus e Galerias de Exposição


São Martinho

Igreja de São Martinho de Friastelas
Igreja de São Martinho de Friastelas
Friastelas, Ponte de Lima
Igreja Matriz de Pindo
Igreja Matriz de Pindo
Pindo, Penalva do Castelo
Igreja Matriz de Sejães
Igreja Matriz de Sejães
Sejães, Oliveira de Frades
Igreja de Mancelos
Igreja de Mancelos
Mancelos, Amarante

Século XI

Castelo de Almoáda
Castelo de Almóada
Paderne, Albufeira
Igreja de S. Pedro de Roriz
Igreja de S. Pedro de Roriz
Roriz, Santo Tirso
Igreja do Salvador
Igreja do Salvador
Freixo de Baixo, Amarante
Igreja Matriz de São Sebastião
Igreja Matriz de São Sebastião
Vila Nova de Paiva, Fráguas e Alhais, Vila Nova de Paiva

Torre Sineira

Os Mais Vistos

Lapa de Santa Margarida
Lapa de Santa Margarida
Azeitão, Setúbal
Ermida de Nossa Senhora da Lapa
Ermida de Nossa Senhora da Lapa
Soutelo, Vieira do Minho
Igreja de S. Simão
Igreja de S. Simão
Azeitão, Setúbal
Ponte das Três Entradas
Ponte das Três Entradas
Ponte das Três Entradas, Oliveira do Hospital

Estilo Manuelino


Estilo Neoclássico

Alminhas da Ponte
Alminhas da Ponte
São Nicolau, Porto
Antigo Clube Inglês
Antigo Clube Inglês
Miragaia, Porto
Balneário Termal
Balneário Termal
Caldas da Rainha
Basílica da Estrela
Basílica da Estrela
Estrela, Lisboa

Faróis

Facho de Árvore
Facho de Árvore
Árvore, Vila do Conde
Farol da Barra
Farol da Barra
Gafanha da Nazaré, Ílhavo

Nossa Senhora da Conceição

Palácios

Parque de Merendas

Capela de Nossa Senhora das Neves
Capela de Nossa Senhora das Neves
Avelãs de Cima, Anadia
Capela de S. Sebastião
Capela de S. Sebastião
Rabal, Bragança
Capela de Santa Eulália
Capela de Santa Eulália
São Julião de Palácios e Deilão, Bragança

Pontes Romanas

Ponte Romana
Ponte Romana
Idanha-a-Velha, Idanha-a-Nova
Ponte Romana de Vide
Ponte Romana
Vide, Seia
Ponte romana de Aldeia da Ponte
Ponte Romana
Aldeia da Ponte, Sabugal
Ponte romana de Vermiosa
Ponte Romana
Vermiosa, Figueira de Castelo Rodrigo

São Miguel

Capela de São Miguel
Capela de São Miguel
Monsanto, Idanha-a-Nova
Capela de São Miguel
Capela de São Miguel
Avô, Oliveira do Hospital

Capela de São Miguel
Dornelas do Zêzere, Pampilhosa da Serra

Século XII

Século XVIII