Paço Episcopal, um nome que se mantém mas em que o seu verdadeiro significado deixou de fazer sentido há muito tempo. A seguir à Sé Catedral, o Paço Episcopal é o edifício mais relevante e emblemático da cidade de Braga, desde os seus primórdios medievais até à atualidade, com uma profunda ligação à cidade.

O Paço Episcopal

Paço Episcopal - Praça do Município
Praça do Município

Paço Episcopal, um nome que no seu verdadeiro significado deixou de fazer sentido há muito tempo mas que sempre se manteve até agora como o nome pelo qual o edifício ainda é conhecido.

A seguir à Sé Catedral, o Paço Episcopal é o edifício mais relevante e emblemático da cidade de Braga, desde os seus primórdios medievais até à atualidade, com uma profunda ligação à cidade.

Edifício que faz jus à sua fama, teve o seu início no século XIV e a construção prolongou-se durante seis séculos. Teve ampliações nos séculos XVII e XVIII, abrangendo uma boa área que o confronta com quase um quarteirão, localizando as partes para três lados distintos.

Atualmente os limites estão designados por outros nomes, como por exemplo o Largo do Paço, que confronta com a Rua do Souto. A Biblioteca Municipal confronta com a Praça do Município e, finalmente, o edifício medieval confronta com o Jardim de Santa Bárbara e a Rua Eça de Queirós, formando por isso três partes essenciais na formação do conhecido Paço Episcopal.

Primeira Fase - Rua Eça de Queiroz e Jardim de Santa Bárbara

Paço Episcopal - Jardim de Santa Bárbara
Jardim de
Santa Bárbara
Paço Episcopal - Jardim de Santa Bárbara
Paço e Jardim de
Santa Bárbara
Paço Episcopal - Jardim de Santa Bárbara
Paço e Jardim de
Santa Bárbara

A principal delas todas e a mais importante está denominada de gótica, pois remonta ao início dos anos trinta do século XIV, a mando do Arcebispo D. Gonçalo Pereira. Acabou a campanha construtiva o seu sucessor D. Fernando Guerra, arcebispo entre os anos de 1422 e 1436, sendo por isso a finalização da obra já no século XV.

As obras duraram duas décadas e a torre principal estaria concluída em 1439. De construção gótica, este edifício sofreu uma grande adulteração no século XX, mantendo ainda algumas caraterísticas essenciais como a grande parte do alçado que se orienta para o jardim de Santa Bárbara. É composto de vários corpos de diferentes registos, cuja base de construção é em granito, da qual existem algumas pedras almofadadas e a uniformização estética das obras de restauro, que lhe confina esta homogeneidade.

Segunda Fase - Rua do Souto

A segunda grande campanha construtiva deu-se no século XVI, por iniciativa do homem mais influente da cidade D. Diogo de Sousa, ao qual a história se encarregou de lhe fazer jus às suas iniciativas. Estas obras essencialmente privilegiaram as fachadas que confrontavam para a rua principal da época, a rua que mais estava ligada diretamente ao centro histórico.

O ex-libris desta campanha de obras, dando um cenário de prestígio, é a fonte dos castelos. Esta fonte situa-se ao centro pelas três fachadas compostas em U, formando o Largo do Paço. Estão classificadas como a Ala Nascente, Ala do Norte e finalmente a Ala Poente.

Ala Nascente

Largo do Paço
Largo do Paço

Esta é constituída por dois edifícios, em que um deles funcionava como a Casa da Guarda e confrontava com a Rua do Souto. Foi mandado edificar pelo Arcebispo D. Rodrigo de Moura Teles e da qual estão gravadas as suas armas.

O segundo, no interior do largo, deve a D. Manuel de Sousa,que mandou edificar entre 1544 e 1549,que o utilizou para abrigar os vários cartórios e arquivos eclesiásticos. Posteriormente esta parte do edifício viria a albergar o Tribunal da Relação e o Tribunal da Primeira Instância Civil.

Ala Norte

Largo do Paço
Largo do Paço

Edificada também por D. Rodrigo de Moura Teles, esta ala atualmente alberga a Reitoria e a Biblioteca da Universidade do Minho.

Ala Poente

Largo do Paço
Largo do Paço

Edificada por D. Agostinho de Jesus entre 1587 e 1609, a Ala Poente está orientada para o Largo João Peculiar, de onde se podia contemplar as procissões. Esta ala albergou alguns dos serviços como Museu e quartel dos Bombeiros Municipais, entre outros.

Terceira Fase - Praça do Município

Paço Episcopal - Praça do Município
Praça do Município

De maior amplitude está o edifício orientado para dita praça. Edificado na primeira metade do século XVIII, sob o desígnio do barroco, D. Rodrigo de Moura Teles foi o orientador da ampliação desta parte do Paço, com D. José de Bragança, o sucessor de D. Rodrigo, a encarregar-se de dar as obras um cunho mais aparatoso. Esta fachada veio a sofrer um incêndio em 1866, tendo sido reconstruído na integra nos anos vinte e trinta do século XX.

Esta campanha de reconstrução veio dar ao edifício uma fachada tripartida, com a parte central mais recuada que as duas laterais. A central é formada por dois pisos, sendo as laterais formados por três pisos. Entretanto, nas décadas de trinta e quarenta do mesmo século, sofreu obras de restauro ficando com o atual aspeto. Atualmente alberga a Biblioteca Municipal.

Classificação

Nos anos sessenta do século XX o Paço foi classificado como Imóvel de Interesse Público.

Localização

Coordenadas GPS: N 41 33.063' W 008 25.632'  (41.55105, -8.42720)

Referências

Temas / Tags

Braga, publicado em por

 


Os Mais Próximos

Estilo Gótico

Imóvel de Interesse Público


Igreja da Lapa
Cedofeita, Porto

Torre do Castelo
Aguiar de Sousa, Paredes

Ponte de Mizarela
Ruivães, Vieira do Minho

Pelourinho de Nozelos
Nozelos, Macedo de Cavaleiros

Palácios


Palácio da Bolsa
São Nicolau, Porto

Paço de Tavarede
Tavarede, Figueira da Foz

Paço Episcopal
Sé, Porto

Século XIV


Os Mais Vistos


Lapa de Santa Margarida
Portinho da Arrábida, Setúbal

Ermida de Nossa Senhora da Lapa
Soutelo, Vieira do Minho

Ponte das Três Entradas
Ponte das Três Entradas, Oliveira do Hospital

Igreja de S. Simão
Vila Fresca de Azeitão, Setúbal

Conventos e Mosteiros

Lavadouros


Chafariz Real
Vendas Novas

Fonte da Bica e Lavadouro
Degracia Cimeira, Gavião

Fonte de Ouguela
Ouguela, Campo Maior

Fonte do Olival Santo e Lavadouros
Sancheira Grande, Óbidos

Fonte e Lavadouro
Macinhata do Vouga, Águeda

Miradouros


Achada do Teixeira
São Jorge, Santana

Albufeira da Caniçada
Rio Caldo, Terras de Bouro

Alto do Senhor da Boa Morte
Povos, Vila Franca de Xira

Arco Triunfal da Rua Augusta
Santa Maria Maior, Lisboa

Monumento Nacional


Anta da Agualva
Agualva-Cacém, Sintra

Anta da Barrosa
Vila Praia de Âncora, Caminha

Anta de Santa Marta
Santa Marta, Penafiel

Outras Figuras

Percurso do Vale do Tâmega


Igreja Matriz de Jazente
Jazente, Amarante

Igreja de Mancelos
Mancelos, Amarante

Igreja de S. Nicolau
São Nicolau, Marco de Canaveses

Século XVII

Século XVIII

Torre de Menagem ou de Vigia