Desde o século III que Braga é rodeada por uma cerca, delineada por uma planta poligonal. Parte desta cerca viria a ser utilizada no século XI para o perímetro urbano correspondente a norte.

Idade Média

Depois do fim do domínio do império romano até ao século V surge um novo período que se vai prolongar durante dez séculos. Período bastante conturbado que vem determinar a postura da Europa no campo político, social, religioso e arquitetónico, dando lugar à Idade Média.

Esta Época Medieval configura-se em Alta Idade Média, compreendida entre o século V e o século X, e a Baixa Idade Média que segue até ao século XV.

É precisamente nesta segunda parte que a Europa se transforma e se começa a delinear com o crescimento demográfico acentuado, o renascimento comercial, o aparecimento das Cruzadas e a ascensão de novos Estados-Nação da qual Portugal faz parte.

Independência de Portugal

A Baixa Idade Média foi um período bastante conflituoso, essencialmente para a Península Ibérica, em que metade desta estava sob o domínio muçulmano.

Portugal, com a Independência no início do século XII, entrou numa campanha de conflito em duas frentes, com o território que viria a denominar-se de Espanha e, quase em simultâneo, com a expulsão dos muçulmanos do centro e do sul do País.

Estas conflitualidades acabaram por forçar o aparecimento de castelos, verdadeiras fortalezas e um dos elementos mais caraterísticos da Idade Média, para a defesa da população e da área que a circundava como também para reprimir os inimigos.

Cerca de Braga

Assim, desde o século III que Braga é rodeada por uma cerca remontando ao tempo romano, delineada por uma planta poligonal.

Parte desta mesma cerca viria a ser utilizada no século XI para o perímetro urbano correspondente a norte. Para sul e oeste seria construída uma nova muralha.

Infelizmente esta muralha mostrou-se pouco eficaz quando, no século XIV, a cidade foi conquistada por tropas castelhanas.

Entre os séculos XIV e XV a construção do castelo terminara, com um acrescento de oito torres.

Crescimento Urbano

No século XVI começa-se a denotar um crescimento de edifícios adossados à muralha exterior, acabando por se notar a ineficiência e o respetivo abandono do dispositivo.

Atualmente e ao contrário do que aconteceu com a cidade romana, do castelo medieval resiste apenas a Torre de Menagem, a Porta Nova, a Porta da Torre de Santiago e a Torre de São Sebastião. Muito poucos elementos para uma cidade que ganhou importância com o decorrer dos séculos.

Torre de Menagem

Vestígios Medievais - Torre de Menagem
Torre, lado Sul
Vestígios Medievais - Torre de Menagem
Torre, lados
Sul e Leste
Vestígios Medievais - Torre de Menagem
Torre,
lado Norte

Um dos símbolos mais significativos de Braga, foi mandada edificar pelo rei D. Dinis na rua do Castelo. Apresenta uma planta quadrada de trinta metros de altura com três pisos no interior. É uma construção claramente gótica, com ameias e matacães nos vértíces e dois pares de janelas geminadas orientadas a sul e nascente, bem como a pedra de armas.

Em 1910 entrou para a primeira lista dos Monumentos Nacionais.

Coordenadas GPS: N 41 33.086' W 008 25.438'

Arco da Porta Nova

Vestígios Medievais - Arco da Porta Nova
Porta Nova - Leste
Vestígios Medievais - Arco da Porta Nova
Porta Nova - Oeste

Na fronteira da rua do Souto ou Comércio com o largo da Porta Nova, o arco remonta ao tempo das muralhas sem estar destinada a qualquer entrada ou saída.

Este arco viria a ser fundamental pois, no século XVI e a mando do Bispo D. Diogo de Sousa, a porta acabou por ser aberta impulsionando assim o desenvolvimento da localidade em termos urbanos e culturais. No século XVIII atingiu a amplitude que lhe é conferida atualmente e que a carateriza pela depuração e grandeza das formas.

Coordenadas GPS: N 41 33.016' W 008 25.764'

Porta da Torre de Santiago

Vestígios Medievais - Torre de Santiago
Torre de Santiago
Lado Sul
Vestígios Medievais - Torre de Santiago
Porta de Santiago

Situada entre o Largo de São Paulo e o Largo de Santiago, a porta da Torre de Santiago está junto de uma das oito torres e consequentemente portas do castelo.

Esta entrada orientada a sul permitia a entrada dos peregrinos que se deslocavam para Santiago de Compostela. Também servia uma outra função, como ponto de de vigia.

De planta quadrangular, com o rasgo de entrada em arco quebrado, é orientada a nascente e com três janelas orientadas a sul e nascente. Do lado interior, orientada a norte, a torre inclui um Oratório da Nossa Senhora da Torre.

Coordenadas GPS: N 41 32.887' W 008 25.588'

Torre de São Sebastião

Vestígios Medievais - Largo de Paulo Orósio
Torre de S. Sebastião

No Largo de Paulo Orósio encontra-se o último vestígio medieval através de uma das oito torres.

Não há muito mais a dizer sobre esta torre, com uma planta quadrangular a rematar com dezasseis ameias. Atualmente faz parte do conjunto com a residência.

Coordenadas GPS: N 41 32.857' W 008 25.675'
Braga, publicado em por

 


Os Mais Vistos


Lapa de Santa Margarida
Portinho da Arrábida, Setúbal

Ermida de Nossa Senhora da Lapa
Soutelo, Vieira do Minho

Ponte das Três Entradas
Ponte das Três Entradas, Oliveira do Hospital

Igreja de S. Simão
Vila Fresca de Azeitão, Setúbal

Câmara Municipal

Estilo Maneirista

Figuras da Realeza de Portugal


D. Dinis
Coimbra

D. Manuel I
Almendra, Vila Nova de Foz Côa

Imóvel de Interesse Público


Monumento Nacional


Anta da Agualva
Agualva-Cacém, Sintra

Anta da Barrosa
Vila Praia de Âncora, Caminha

Anta de Santa Marta
Santa Marta, Penafiel

Panteão

Património Mundial

Século XVII

Torre Sineira


A nossa Igreja
Freches, Trancoso

Antiga Igreja Matriz
Vila Pouca de Aguiar

Antiga Matriz de Alcoentre
Alcoentre, Azambuja

Antigos Paços do Concelho
Castelo Novo, Fundão