Situada fora do perímetro da zona histórica da cidade no princípio do século XVIII, a Igreja de Nossa Senhora do Terço veio contribuir para uma estruturação da malha urbana em expansão nesta zona da cidade.

História

Igreja de Nossa Senhora do Terço
Igreja de Nossa Senhora do Terço

Na verdade a sua origem esteve num mosteiro de religiosas beneditinas, para poderem receber as religiosas de um outro convento, situado em Monção. Este estava destinado à demolição, por ordem de D. Pedro, com o objetivo de fortalecer e reedificar as muralhas desta localidade.

A edificação deu-se no reinado de D. João V com a aprovação do Arcebispo de Braga D. Rodrigo de Moura Teles. Teve o seu início em 1707, dando-se em 1713 a entrada das mais de cem religiosas, uma vez que as novas dependências estavam a ser concluídas.

Pouco mais de cem anos durou o privilégio destas religiosas, pois em 1834 deu-se a extinção das ordens religiosas. No entanto, e por ser um convento feminino, só foi possível o seu encerramento quando a última freira faleceu, tendo sido no ano de 1842. Realizou-se a venda em hasta pública da parte conventual, sendo posteriormente demolida e restando apenas a igreja, que sobreviveu até à atualidade. Em 1846 o templo religioso recebeu a Confraria do Terço, que até então estava alojada na Capela de Espírito Santo que entretanto havia também sido demolida.

A invocação da igreja passou a ser de Nossa Senhora do Terço, uma vez que até então o mosteiro tinha a sua invocação em Nossa Senhora da Conceição.

Descrição

Igreja de Nossa Senhora do Terço

Apresenta uma planta longitudinal, de uma única nave e capela-mor, cuja fachada, seguindo o portal principal está orientada a sul. A fachada com linhas bastantes depuradas tem no seu portal o elemento de maior interesse. O rasgo do portal é em moldura curva e delimitado por pilastras. É encimado por um entablamento com as armas reais que sustentam um frontão de aletas com um nicho da imagem de São Bento. O portal está ladeado por pilastras.

A riqueza do interior, considerado o melhor exemplo do barroco português, contrasta com a simplicidade do exterior.

Classificação

Desde 1967 a Igreja de Nossa Senhora do Terço está classificada como Imóvel de Interesse Público.

Localização

Esta igreja situa-se no centro histórico de Barcelos, no lado norte do Campo da Feira.

Coordenadas GPS: N 41 32.017' W 008 37.125'  (41.53362, -8.61875)

Referências

Temas / Tags

Barcelos, publicado em por

 

Comentar


Código de segurança
Atualizar


Os Mais Próximos


Casa dos Beça Meneses
Barcelos
(107 m W)

Chafariz do Campo da Feira
Barcelos
(110 m SE)

Coreto de Barcelos
Barcelos
(112 m NW)

Estilo Barroco

Imóvel de Interesse Público

Outras Devoções a Nossa Senhora

Século XVIII


Capela de Nossa Senhora dos Navegantes
Gafanha da Nazaré, Ílhavo

Igreja Paroquial do Cossourado
Cossourado, Paredes de Coura

Igreja de Nossa Senhora da Graça
Águas Belas, Ferreira do Zêzere

Moinho de Vento
Maçussa, Azambuja

Torre Sineira


Capela de S. Marcos
Pergulho do Meio, Proença-a-Nova

Capela de São Brás
Terras de Bouro

Igreja Matriz de Lamas de Orelhão
Lamas de Orelhão, Mirandela

Os Mais Vistos


Lapa de Santa Margarida
Portinho da Arrábida, Setúbal

Ermida de Nossa Senhora da Lapa
Soutelo, Vieira do Minho

Ponte das Três Entradas
Ponte das Três Entradas, Oliveira do Hospital

Conventos e Mosteiros

Fontes


Alminhas
Sabuzedo, Montalegre

Casa da Água
Cabo Espichel, Sesimbra

Chafariz D. João V
Alpedrinha, Fundão

Igreja Matriz


A Igreja Matriz, a Albergaria
Arrifana, Vila Nova de Poiares

Antiga Igreja Matriz
Vila Pouca de Aguiar

Capela da Senhora da Soledade
Olhão da Restauração, Olhão

Capela de Nossa Senhora da Saúde de Fetais
Santo Quintino, Sobral de Monte Agraço

Nossa Senhora dos Anjos


Forte de Paimogo
Paimogo, Lourinhã

Igreja Matriz de Almendra
Almendra, Vila Nova de Foz Côa

Igreja Matriz de Freixeda do Torrão
Freixeda do Torrão, Figueira de Castelo Rodrigo

Palácios

Solares


Alto do Senhor da Boa Morte
Povos, Vila Franca de Xira

Casa Senhorial
Bornes, Macedo de Cavaleiros

Casa Solarenga
Beco, Ferreira do Zêzere

Século XII

Século XVI


Século XVII