Século XVIII

O Século XVIII foi o século da revolução industrial, das ideias iluministas e acontecimentos históricos em Portugal como o terramoto de 1755. Muitos monumentos ficaram destruídos naquele fatídico dia 1 de novembro, sendo depois muitos deles reconstruídos ou recuperados, agora segundo os métodos e estilos mais recentes. Sendo o final da Época Moderna e o início da Contemporânea, foram construídos monumentos mais modernos, mais atuais, muito diferentes dos clássicos.

  • O Palácio Foz, originalmente Palácio de Castelo Melhor e pertença desse marquês, foi construído no fim do século XVIII em estilo neoclássico.
  • Atualmente o Museu da Cidade, é um exemplar de palácio que serviu para residência, um dos melhores exemplos da arquitetura nos arredores de Lisboa.
  • O 1º Cardeal Patriarca de Lisboa adquiriu os terrenos onde hoje se situa este palácio, em 1745. Fez demolir a residência que ali se encontrava e no seu lugar construir o palácio.
  • Este edifício é a casa-mãe de um complexo formado por outro palácio, anexos, jardins e terrenos anexos, totalizando uma área de onze hectares.
  • Teve a sua construção no final do século XVIII para substituir o anterior Paço Real, denominado de Real Barraca dada a sua construção de madeira.
  • Dez anos foi o tempo suficiente para edificar o Palacete, no século XVIII (1730 a 1740). É dotado de capela, em cujo teto mandou pintar as suas armas.
  • Também denominado de Palácio Real de D. João V ou Palácio das Passagens, é um palácio barroco de construção no século XVIII.
  • Uma das principais avenidas de Lisboa e atualmente a mais movimentada, tanto a nível pedestre como automóvel.
  • Estas capelas, em vários locais do centro da cidade, foram construídas entre 1747 e 1756 e representam os Passos da Paixão de Cristo.
  • Pertencente ao séc. XVIII, provavelmente após 1732. É construído de mármore, sendo formado de uma base de quatro degraus com uma coluna.
  • Este, como na maior parte das terras portuguesas que se honram a ter pelourinhos, indica que esta terra se tornou concelhia.
  • Pelourinho de Esgueira, símbolo de autonomia e autoridade municipal, crê-se que o atual, datado do século XVIII, veio substituir um outro mais antigo.
  • Este pelourinho, anterior à construção dos Paços do Concelho, é o segundo, uma vez que o primeiro quinhentista desapareceu.
  • O Pelourinho de Setúbal, datado do século XVIII, é formado por coluna de mármore com capitel coríntio sobre um pedestal quadrado com inscrições nos quatro lados.
  • O pelourinho do séc. XVIII, ergue-se num soco de três degraus de rebordo boleado onde assenta o conjunto da base, coluna, capitel e remate. A base da coluna é um prisma quadrangular de arestas...
  • Esta ponte é conhecida como a Ponte de Alvarenga ou Ponte de Canelas por unir estas duas freguesias de Arouca. Começou a ser edificada em 1770 e foi terminada em 1791.
  • O Portal, uma das três maravilhas existentes no lugar de Gondoriz, está precisamente ao lado da Igreja Matriz.
  • Quartel do século XVIII, estando compreendido entre os anos de 1736-1750.
  • Pouca informação existe sobre a Quinta do Souto, localizada no lugar de Souto, freguesia de Beco, que foi construída no séc. XVIII.
  • Situada no Largo de São Sebastião, em frente da capela com o mesmo nome, este edifício é de arquitetura residencial setecentista, com a respetiva quinta.