Século XVIII

O Século XVIII foi o século da revolução industrial, das ideias iluministas e acontecimentos históricos em Portugal como o terramoto de 1755. Muitos monumentos ficaram destruídos naquele fatídico dia 1 de novembro, sendo depois muitos deles reconstruídos ou recuperados, agora segundo os métodos e estilos mais recentes. Sendo o final da Época Moderna e o início da Contemporânea, foram construídos monumentos mais modernos, mais atuais, muito diferentes dos clássicos.

  • Considerada uma das sete maravilhas da freguesia de Moure e o ex-libris desta freguesia, a Casa ou Solar de Gondomil foi-se afirmando a partir do século XVIII, ano da sua edificação.
  • Casa dos finais do séc. XVIII, como indicam alguns elementos artísticos presentes na fachada, como o brasão envolto por uma dinâmica moldura rocaile.
  • Mais uma casa no perímetro histórico da Lousã, uma casa brasonada a servir de residência, igualmente como as Casas de Baixo e de Cima, do século XVIII.
  • Este gracioso e imponente Solar, uma construção do século XVIII, pertence à Família nobre Serpa Côrte Real. Destaca-se a magnífica e esplendorosa fachada de estilo barroco.
  • A Casa do Corpo Santo foi construída em 1714. Aí esteve a Confraria dos Navegantes de Setúbal durante alguns séculos.
  • Esta casa, que serviu os frades da Ordem de São Francisco, foi construída entre 1747 e 1752 sob o estilo barroco, com a assinatura do famoso arquitecto Nasoni.
  • Considerando ser dois corpos diferentes, a Casa e a Capela estão situadas no cimo de uma grande duna de areia, precisamente junto à praia, e esta dá-lhes o nome de Bonança.
  • Um edifício habitacional urbano do séc. XVIII que revela uma cariz regional de grande interesse, resultado de uma época construtiva local que se verificou nesta centúria.
  • Situada na parte mais alta da vila, a Casa do Terreiro rodeia, com a Igreja Matriz e a do Espírito Santo, a beleza do Jardim dos Centenários.
  • Situada no Largo Cinco de Outubro, é um edifício do início do século XVIII, sendo considerado como a casa mais decorada de Barcelos, com base nas cimalhas das janelas.
  • Um verdadeiro ex-libris da localidade de Foz de Arouce, nome que é atribuído a esta imponente casa senhorial, rodeada de terras de cultivo e vinhas.
  • O edifício que serviu de residência da Família Maciéis Aranhas foi um dos poucos sobreviventes no desenvolvimento deste Campo da Vinha, atualmente denominado de Praça do Conde de Agrolongo.
  • Uma casa brasonada do século XVIII, tendo sofrido remodelações no século seguinte.
  • Assim conhecida em Côja como casa do Dr. Alberto, este magnífico edifício do séc. XVIII faz parte da arquitetura civil da vila, com a sua lateral para o rio Alva.
  • Uma casa do século XVIII pertencente a uma família abastada da cidade, com uma planta desenvolvida em comprimento, expressão relativa à arquitectura setecentista, com a capela adossada à casa.
  • A Casa e a Capela são o que resta da Quinta do Bom Sucesso, sendo estes dois elementos dos poucos exemplares de casas agrícolas da época subsistentes na cidade.
  • Este edifício habitacional, situado na Avenida Central, é propriedade da Família com este nome, sendo a sua edificação do início da segunda metade do século XVIII.
  • Situada no centro da aldeia, muito perto da Igreja Matriz, um belo edifício muito provavelmente do séc. XVIII ou séc. XIX, com a capela adossada à casa.
  • A Casa-Museu Egas Moniz é a casa, edificada no século XVIII, em que nasceu António Egas Moniz, o médico português vencedor do Prémio Nobel de Fisiologia ou Medicina. Egas Moniz, depois de a...
  • Construído em meados do séc. XVIII para a Sé Patriarcal de Lisboa, salienta-se o portal encimado pelo frontão triangular.