Século XIII

O Século XIII marcou o desenvolvimento da Nacionalidade Portuguesa. São definidos os limites de Portugal e é instituida a língua portuguesa como língua oficial da corte, pelo rei D. Dinis.

  • De nome de São João Batista, está situada no largo com o mesmo nome. O templo original foi edificado no séc. XIII em terrenos do Rei D. Afonso III.
  • Igreja de uma só nave e cabeceira retangulares vemos nas paredes diversos símbolos alfabéticos e geométricos, bem como as diversas siglas dos canteiros, pelo menos seis diferentes que ali trabalharam.
  • Mais um verdadeiro achado de um templo de dimensões reduzidas que espelha o testemunho do românico rural e tardio entre o Douro e o Minho.
  • Um dos mais singulares Marmoirais Medievais do País, a sua origem situa-se em meados do séc. XIII.
  • O Memorial da Ermida estava situado junto da estrada medieval que ligava Porto a Paço de Sousa, e devido às novas vias teve que ser transladado para o atual lugar.
  • Um dos quatro memoriais existentes no Norte de Portugal, com a mesma tipologia que o de Irivo e o de Arouca, tudo indica a contemporaneidade entre eles, de meados do séc. XIII.
  • Mosteiro de Santa Clara de Coimbra, popularmente conhecido por Convento de Santa Clara-a-Velha, fundado nos fins do século XIII, serviu de experimentação do estilo gótico em Portugal.
  • O Mosteiro de Santa Maria de Coz, destinado ao sexo feminino e pertencente à Ordem Cisterciense, foi edificado sob um desejo que incluía uma clausura do testamento do Rei D. Sancho II para receber...
  • Segundo alguns historiadores a construção deste mosteiro data de 1279, pelo abade do Mosteiro de Alcobaça, D. Fernando, cumprindo assim uma cláusula do testamento do rei D. Sancho II.
  • Antigo Convento da Ordem de Avis, para onde foi transferida a sede da Milícia dos Freires de Évora após a doação de Avis por D. Afonso II em 1211 com a condição de povoarem o espaço. No século XIII...
  • Sem qualquer referência sobre este monumento, foi considerado o primeiro Mosteiro Dominicano português e também o primeiro que foi começado e que nunca foi acabado.
  • Situado na parte alta, foi fundado em 1290 por D. Dinis, tendo originalmente uma muralha dupla com doze torres e oito portas.
  • D. Sancho I privilegia a povoação concedendo-lhe o foral no ano de 1187, seguindo-lhe um segundo foral, desta vez concedido por D. Manuel em 1514, com a construção do Pelourinho.
  • A vila do Mogadouro viu-se reconhecida pela segunda vez ao ser-lhe atribuído o foral novo por D. Manuel I, mas crê-se que o atual Pelourinho não corresponde ao da época.
  • Este pelourinho terminou partido em três partes na berma da estrada, sendo depois recolhido pela Junta de Freguesia de Arcas, à qual pertence Nozelas, com vista ao seu restauro e para levar para o...
  • De fuste cilíndrico e liso, encontra-se coroado por uma peça cónica boleada encontrando-se no cimo com dois escudos.
  • Situado no pequeno Largo Comendador Sousa Lima, à entrada da Vila no sentido sul/norte, o Pelourinho é a imagem do reforço do poder concelhio que a Vila obteve em 1260.
  • O Pelourinho da Torre Dona Chama é dos mais antigos de Portugal, pois esta vila recebeu o seu primeiro foral ainda no tempo do reinado D. Dinis, decorria o ano de 1287.
  • É aqui neste largo que se encontra a Ponte do Arquinho, uma ponte cuja construção terá sido no séc. XIII, em granito e de arco de volta perfeita.
  • Classificada pelos habitantes do concelho como uma das sete maravilhas, a ponte de Anhel, que atravessa o rio Neiva, faz a ligação da estrada Nacional 306 que liga Braga a Viana do Castelo.