Portas da Cidade ou do Castelo

As portas da cidade, ou portas do castelo ou da vila, eram os únicos pontos de entrada nas muralhas que circundavam essas povoações ou castelos. Sendo muitas vezes postos defensivos, eram providas de torres, portões, grades ou pontes levadiças. Atualmente são unicamente pontos turísticos com valor histórico.

  • Do Castelo de Mirandela, o que resta é a porta de Santo António. A história deste remonta ao reinado de D. Dinis, nos finais do séc. XIII e princípios do séc. XIV.
  • Sendo uma estrutura medieval tardia, insere-se na reorganização dos espaços fronteiriços a oeste e este de Chaves empreendida por D. Afonso III.
  • A muralha de Nisa é de 1343, num documento de D. Afonso IV. No séc. XVI foi afixada uma lápide com figuras manuelinas pelas intervenções realizadas
  • Já em 960 o Castelo de Numão marcava a sua presença documentada, quando foi doado pela D. Chamôa Rodrigues ao Convento de Guimarães, através da sua tia Condessa Mumadona.
  • Este castelo, de caráter militar, foi edificado no período romano como protector da estrada que ligava Chaves a Lamego.
  • Este castelo, do século IX e ampliado nos séculos seguintes, apresenta uma planta irregular adaptada às carateristicas do terreno.
  • A informação mais antiga aponta a origem do castelo para o reinado de D. Sancho II, que confirmou o foral de Elvas na qualidade de alcaide do Castelo de Cerveira.
  • Uma cidade dentro de outra com quase 900 anos de diferença. A cidade dos primórdios a Nacionalidade iniciou-se e reforçou-se, tornando-se na cidade de hoje.
  • Protegida por uma importante muralha em forma de estrela, ao longo dos séculos Almeida foi estratégica na defesa da fronteira e preserva as memórias desses tempos.
  • Uma torre de menagem e uma entrada, é o que resta de uma fortaleza que aqui existiu. Sem qualquer referência do seu início, apenas que é dos primeiros anos da Monarquia Portuguesa.
  • Construídas no séc. XIV para recolher e defender, têm um traçado ovalado irregular. O seu eixo principal é a Rua da Fonte, que se inicia no largo do Curro.
  • Das muralhas medievais de Monção, construídas no tempo de D. Dinis (1305 a 1308), resta apenas um trecho junto ao passeio dos Néris.
  • É a única porta das muralhas com que Peniche nos recebe, uma antiguidade do séc. XVI que serviu para a defesa da cidade juntamente com o Forte da Consolação e o Forte de São João Batista das...
  • As duas portas estão ladeadas por duas torres ameadas. Uma ostenta o brasão de Trancoso lavrado em pedra, a outra tem duas guaritas.
  • As muralhas de Peniche foram construídas no século XVI para defenderem a cidade em conjunto com o Forte da Consolação e o Forte de São João Batista, nas Berlengas.
  • Exemplar notável da tradição holandesa na arquitetura militar, tornou a Praça de Elvas num verdadeiro baluarte de qualquer tentativa de invasão por parte de Espanha.
  • A denominação "Olhinho do Sol" corresponde a uma porta aberta nas muralhas, em forma de ogiva, estando esta orientada para a nascente, lugar onde nasce o Sol.
  • Com várias denominações, como Paço de Sub-Ripas, o paço é o resultado de sucessivas remodelações quinhentistas em casas, constituindo o que hoje é conhecida como a Casa do Arco ou de Cima.
  • A Porta da Devessa, como a de Alegrete, é datada do século XIII, fazendo parte das muralhas.
  • Entrada principal da vila, a sul da mesma, foi mandada construir pelo rei D. João IV pela proteção que recebeu de Nossa Senhora da Piedade.