Pelourinhos

Um Pelourinho é uma coluna de pedra colocada num local público de uma cidade ou vila, tradicionalmente em frente da Câmara Municipal ou de outros organismos oficiais, onde eram punidos e expostos os criminosos ou delinquentes para a vergonha pública. Os presos eram amarrados às argolas desses pelourinhos e açoutados ou mutilados. Sendo considerados como o padrão ou o símbolo da liberdade municipal, eram erigidos após a elevação de uma localidade a sede de concelho.

  • O Pelourinho da freguesia de Bertiandos está situado no terreiro do Solar com o mesmo nome. Pertence a dois períodos distintos, ao romano e à centúria seiscentista.
  • Um pelourinho bastante atribulado tanto na sua localização com as várias deslocações sofridas, como na sua estrutura.
  • D. Sancho I privilegia a povoação concedendo-lhe o foral no ano de 1187, seguindo-lhe um segundo foral, desta vez concedido por D. Manuel em 1514, com a construção do Pelourinho.
  • O Pelourinho de Buarcos, igualmente conhecido como o Pelourinho de Baixo, obteve dois forais em que o primeiro foi atribuído em 1342.
  • O pelourinho levanta-se sobre dois degraus quadrangulares, com uma base prismática de secção octogonal de faces lisas, e fuste circular liso, um capitel composto por três molduras circulares.
  • Pertencente ao séc. XVIII, provavelmente após 1732. É construído de mármore, sendo formado de uma base de quatro degraus com uma coluna.
  • Situado no largo com o nome de Sabugosa, o pelourinho ergue-se sobre um soco de três degraus quadrados de aresta, em granito, sobre uma plataforma talhada na mesma pedra.
  • A construção deste Pelourinho está compreendida entre os séculos XVII e XX. Foi reconstruído no século XX com elementos do século XVII.
  • Situado na praça dos Paços do Concelho, em frente deste edifício, é um Imóvel de Interesse Público construído em estilo manuelino.
  • De arquitectura manuelina, foi provavelmente construído no séc XVI e está classificado como Monumento Nacional.
  • O Pelourinho, datado de 1560, chegou a ser desmantelado em 1860, mas foi reconstruído e remontado no seu local original diante do antigo edifício da Casa da Câmara.
  • O atual Pelourinho é datado do século XVII, tudo indicando que este veio em substituição de um outro mais antigo.
  • Este, como na maior parte das terras portuguesas que se honram a ter pelourinhos, indica que esta terra se tornou concelhia.
  • Vila Nova de Cerveira é das poucas populações que lhes foram atribuídas dois forais, o primeiro em 1321 por D. Dinis e o segundo em 1621 com D. Manuel.
  • Chacim, tendo conseguido no século XIII o estatuto de vila, somente no final do século XIV (1400) é que conseguiu o seu primeiro foral concedido por D. João I.
  • O Pelourinho, resultante do foral de D. Manuel I, foi apeado em 1870 para ser reerguido em 1910, antecedendo nova deslocação e reposição.
  • Do séc. XVI, em 1514, pelo segundo foral dado por D. Manuel à vila, este ergue-se de um soco de quatro degraus quadrangulares numa base hexagonal com fuste prismático.
  • O Pelourinho de Constância foi construído em 1821, mais tarde destruído com as invasões francesas.
  • Este pelourinho diferencia-se dos outros pela sua simplicidade e por, ao contrário de degraus, ter um soco formado por um tronco cónico e liso.
  • Sem uma cronologia fixa, este pelourinho é atribuído à época manuelina, uma vez que a tipologia em pinha é comum para este período histórico.