Pelourinhos

Um Pelourinho é uma coluna de pedra colocada num local público de uma cidade ou vila, tradicionalmente em frente da Câmara Municipal ou de outros organismos oficiais, onde eram punidos e expostos os criminosos ou delinquentes para a vergonha pública. Os presos eram amarrados às argolas desses pelourinhos e açoutados ou mutilados. Sendo considerados como o padrão ou o símbolo da liberdade municipal, eram erigidos após a elevação de uma localidade a sede de concelho.

  • Situado no mesmo largo e precisamente em frente à Igreja da Misericórdia, o Pelourinho compõe-se por um soco quadrangular de três degraus onde assenta a coluna prismática com faces decoradas.
  • Pelourinho datado do século XV, está situado junto dos Paços de Concelho e da Igreja Matriz. Inicialmente a sua utilização era um marco jurisdicional, atualmente é um marco histórico.
  • Construído no séc. XVI, este Pelourinho apresenta uma base de três degraus circulares, onde assenta uma coluna de fuste circular com base quadrada, encimada por duplo anel.
  • Só entre os sécs. XVII e XVIII é que surgiu na vila supostamente o primeiro pelourinho, porque se pensa ter existido um na época medieval.
  • Vila Franca de Xira recebeu foral em 1212, renovado por D. Manuel I em 1510. É deste tempo o pelourinho em estilo manuelino. É Monumento Nacional.
  • Vila Nova de Foz Côa recebeu várias mercês de D. Dinis, que lhe concedeu o primeiro foral 1299. Em 1514 recebeu foral novo de D. Manuel, do qual se terá erguido o presente Pelourinho.
  • Vila Real, como o nome indica, é localidade de fundação régia, tendo recebido o primeiro foral em 1272 por D. Afonso III, renovado por D. Dinis no mesmo século.
  • O pelourinho está sobre uma plataforma de dois degraus quadrangulares, onde encaixa a base da coluna, semelhante a um terceiro degrau.
  • Datado de 1510, quando o foral foi renovado por D. Manuel I. Tem uma coluna octogonal, apoiada em seis degraus quadrangulares.
  • Vimioso, a par com outras povoações, consegue o seu primeiro foral de D. Afonso III, tendo a categoria de concelho só em 1516, ano em que também se ergueu o pelourinho.
  • Já sendo vila com D. Sancho II, Vinhais obteve duas cartas de foral, de D. Afonso III e depois de D. Manuel I, e foi com este Rei que também se ergueu o Pelourinho.
  • O pelourinho do séc. XVIII, ergue-se num soco de três degraus de rebordo boleado onde assenta o conjunto da base, coluna, capitel e remate. A base da coluna é um prisma quadrangular de arestas...
  • Este Pelourinho foi reconstruído em 1935 aproveitando alguns fragmentos do primitivo que foi destruído em 1882.
  • Este Pelourinho só veio reforçar o auge em que a Vila de Outeiro estava quando D. Manuel lhes concedeu este prémio, atingindo assim a sua autonomia.
  • Atualmente erguido na Praça da República, só no séc. XVI é que foi possível tal edificação devido à elevação de Sardoal a vila por parte de D. João III.
  • O pelourinho está situado no largo com o mesmo nome, tem no seu centro o ponto fulcral da vida Medieval.
  • Pelourinho, Imóvel de Interesse Público desde 1933, do séc. XVI, de estilo manuelino, e a Igreja da Misericórdia, maneirista do séc. XVI, com uma planta longitudinal composta por nave e sacristia.
  • A construção da Sé teve o seu início na primeira metade do século XII e terminou no início do século XIII, de estilo romântico, e sofreu várias alterações ao longo dos séculos.