Pelourinhos

Um Pelourinho é uma coluna de pedra colocada num local público de uma cidade ou vila, tradicionalmente em frente da Câmara Municipal ou de outros organismos oficiais, onde eram punidos e expostos os criminosos ou delinquentes para a vergonha pública. Os presos eram amarrados às argolas desses pelourinhos e açoutados ou mutilados. Sendo considerados como o padrão ou o símbolo da liberdade municipal, eram erigidos após a elevação de uma localidade a sede de concelho.

  • O Pelourinho que está junto do areal foi construído com base em elementos do original do século XVI, com exceção do brasão de armas que está na cópia, junto da Câmara Municipal.
  • Um pelourinho de estilo manuelino, foi construído em frente da Casa da Câmara onde confluiam a estrada real e a rua para a Igreja Matriz.
  • Situado no pequeno Largo Comendador Sousa Lima, à entrada da Vila no sentido sul/norte, o Pelourinho é a imagem do reforço do poder concelhio que a Vila obteve em 1260.
  • Símbolo das regalias locais no Portugal antigo, o Pelourinho de Proença mantém-se ainda hoje frente à Casa da Câmara, no Largo da Praça.
  • O pelourinho é provavelmente manuelino, do século XVI, época esta confirmada pela data de 1578 visível na gaiola. Sendo essa a função original dos pelourinhos, os prisioneiros eram encerrados em...
  • Está situado num muro, muito perto da Igreja Matriz, levantando-se sobre uma base quadrada e tosca o fuste liso e octogonal, encimado por um piramidal saliente.
  • Sobre um soco de quarto degraus retangulares, assenta a coluna do fuste cilíndrica e lisa.
  • Atualmente é conhecido como Pelourinho de Vila Meã, mas teve o seu início no séc. XVI como Pelourinho de Santa Cruz de Riba Tâmega.
  • O pelourinho ergue-se sobre uma alta plataforma circular com dois degraus degastados octogonais com faces côncavas e de rebordo.
  • A Rosmaninhal foi-lhe atribuído o seu pelourinho devido à sua posição estratégica geográfica, estando próximo da fronteira com a Espanha.
  • Rossas é o couto que foi elevado à condição de vila e por sua vez sede de concelho com o foral de D. Manuel, decorria o ano de 1510.
  • Pelourinho do séc. XVI, de estilo manuelino, com soco de seis degraus, composto por um capitel quadrangular com quatro cabeças coroadas cantonais e quatro rosetas nas faces.
  • Aboadela com dois forais, primeiro por D. Sancho I em 1196 e depois por D. Manuel I em 1514, só posteriormente a este segundo teve o seu pelourinho.
  • Pelourinho possivelmente ao séc. XVI, é constituído por uma coluna cilíndrica de granito com base quadrada sobre três degraus de altura desigual.
  • Pelourinho do séc. XVI, foi mandado construir por D. Manuel I com o propósito de S. Pedro de Rates ser concelho.
  • Este Pelourinho trata-se de uma réplica do original datado do séc. XVI, de que subsistem apenas três elementos do capitel e o remate.
  • Situa-se no centro da aldeia, no Largo do Pelourinho, assenta em quatro degraus, estando o primeiro ao nível do passeio, e apresenta uma forma quadrangular de aresta viva.
  • De fuste liso, assenta numa base de três degraus quadrangulares de aresta. Em cima do fuste tem uma forma octogonal com um capitel, molduras salientes na zona inferior e no topo.
  • Este pelourinho levanta-se sobre dois degraus octogonais, com uma base também octogonal, que serve um fuste com uma simbologia em cruz.
  • Recebeu carta de foral de D. Manuel I em 1514, de onde se ergueu um primeiro pelourinho que permaneceu até final do século XIX.