Fontes, Poços e Lavadouros

Fontes, Poços e Lavadouros

Uma fonte, fontanário ou chafariz é uma construção situada habitualmente em espaços públicos e abertos, tais como praças, jardins ou ruas. Tendo água potável, a sua origem esteve basicamente na falta de água potável nas casas particulares. Na atualidade serve o mesmo propósito para quem passa e também como ornamento ou decoração.

  • Situado na praça Francisco Meireles, no centro da vila, o Chafariz é datado de 1636, construído durante a Dinastia Filipina, foi desmantelado em 1887 e reconstruído no final do século XX.
  • Este chafariz, situado numa das ruas antigas próximo do centro do Cartaxo, no extremo de um pequeno mas agradável jardim, foi construído em 1889.
  • Situado num pequeno largo, face à via principal que atravessa a cidade, este chafariz foi o primeiro do género a abastecer a cidade de água.
  • No pequeno centro urbano histórico de Ponte de Lima, encontra-se ao centro do Largo de Camões o chafariz monumental do final do século XVI e princípios do XVII.
  • Situado no Largo Primeiro de Dezembro, este chafariz pode ter sido edificado no século XIX.
  • Chafariz de traços sóbrios, localizado nas imediações do Castelo no largo ou centro da aldeia, feito em granito.
  • Este chafariz foi construído em 1789 para fornecer água à população da vila. É encimado por uma pedra de armas de Portugal e o espaldar é dividido por pilastras.
  • O Chafariz Pombalino de Sobral de Monte Agraço foi mandado construir em 1776 por Joaquim Inácio da Cruz, primeiro morgado de Sobral, para abastecimento de água à vila.
  • A meio da subida do centro de Maçussa para leste encontramos um chafariz que teve decerto uma grande história no fornecimento de agua à povoação.
  • Este Chafariz Real foi construído no século XVIII para dar de beber tanto aos animais como aos trabalhadores na construção do Palácio Real.
  • Este chafariz maneirista construído em 1575 situa-se na Praça de Santa Maria em frente da Igreja Matriz da vila de Óbidos.
  • Da época medieval, a cisterna está efetuada em cantaria, o que comprova a presença árabe na vila.
  • A cisterna é um edifício abobadado com um reservatório com capacidade de 2.300 metros cúbicos de água. No exterior tem uma fonte com um tanque de quatro bicas encimadas por mármore.
  • Na parte histórica de Góis, no largo principal da vila, encontra-se um elemento fundamental de fornecimento de água à comunidade. De nome Pombal, esta Cisterna é do século XVI.
  • A Rainha D. Leonor Teles foi a ombreira deste Convento em 1376, onde D. Fernando possuía um palácio. Este convento ao longo dos séculos sofreu constantemente com obras.
  • Esta fonte está situada junto da igreja de Igreja de Nossa Senhora da Mãe de Deus.
  • Atualmente posicionado com certo destaque em frente à Igreja Matriz e ao Mercado Municipal, é agora unicamente um elemento decorativo, uma vez que é uma fonte seca.
  • Um simples fontanário numa pequena aldeia chamada de Justes, e que para esta também pequena população, significa a vida.
  • Este fontanário está datado do ano de 1886, a base é composta por duas meias luas que servem de base para a coluna de pedra.
  • Iniciando no séc. XX, estas fontes comunitárias surgiram nas aldeias Portuguesas vindo colmatar as diferenças entre as cidades e as aldeias.