Vista Geral de Candal
Vista Geral
Vista Geral de Candal
Vista Geral
Vista Geral de Candal
Vista Geral
 
Vista Geral de Candal
Vista Geral
Vista Geral de Candal
Vista Geral

Candal é considerada uma das cinco aldeias de xisto e a maior do Concelho da Lousã, tendo no seu nome o lugar onde se canta a pedra. Candal associa-se à arte de trabalhar a pedra através de "Cantar a Pedra" que originou o atual nome.

Situada sensivelmente a dez quilómetros da Lousã, está situada na vertente ocidental da Serra da Lousã, face à estrada que liga Lousã a Castanheira de Pêra. Está disposta numa colina voltada a sul, numa escalada pelo monte acima em que podemos visitá-la através das ruas estreitas e inclinadas até ao topo. De lá podemos ver a aldeia e a vista sobre o vale refrescado pela ribeira  do Candal.

A história desta aldeia é comum a todas do concelho, que tiveram o seu início nos finais dos sécs. XVII e príncípios do XVIII, em que inicialmente era uma ocupação sazonal, mais concretamente nas estações da primavera e verão, com as atividades pastoris. Os documentos referenciais mais antigos desta aldeia remontam a 1679, através de uma multa passada pelos Paços do Concelho e mais tarde num registo de propriedade foreira ordenado por D. Pedro, em 1687. Contudo crê-se que a aldeia seja mais antiga que estas datas.

No tempo das Invasões Napoleónicas, Candal e outra aldeia vizinha, Cerdeira, escaparam ao saque das tropas francesas. Após as Invasões Francesas esta, como as restantes aldeias, começou a ter uma população digna de uma aldeia, confirmando assim que em 1940 a aldeia atingiu os 200 habitantes com dois rebanhos de ovelhas, sofrendo um início de emigração para E.U.A. na década de vinte.

Pastorício, fabrico de carvão e agricultura de subsistência eram as atividades da população e os motivos que conduziram ao auge populacional, antecedido pelo seu decréscimo entre as décadas de cinquenta e sessenta do século passado, com a partida para o Brasil. A eletricidade, acompanhada dos telefones, só viriam nos anos setenta.

Estando em quase declínio populacional e ruínosas, estas casas começaram a ser recuperadas para segunda habitação, simbolizando em conjunto com outras as Aldeias de Xisto tradicionais de uma região, com a sua orientação geográfica no centro do País.

Candal, publicado em por