Convento de Santo António dos Capuchos
Situada em plena colina sagrada, ocupa espaço do edifício construído como convento no século XVII, mais tarde transformado em Hospital.
Convento de Santo António dos Capuchos

Situada em plena colina sagrada, a Igreja de Santo António dos Capuchos é atualmente o que resta do convento com o mesmo nome, do qual não se pode excluir, revelando que este conjunto conventual acabou por ser um tanto polémico desde o início da sua edificação. Passaram-se três séculos.

Tudo começou no ano de 1662 quando D. Afonso VI autorizou o início das obras de construção do Convento dos Frades Capuchinhos de Guimarães, com intenção de usarem as pedras dos arruinados Paços dos Duques de Bragança, das muralhas da Vila e do Castelo.

Claro que esta ideia de utilizar estas pedras foi alvo de contestação por parte do povo e da nobreza. No entanto as obras continuaram e, devido à contestação, os frades que até então ocupavam a Igreja de São Miguel do Castelo decidiram ocupar as dependências conventuais inacabadas.

Na quarta década do século XVIII os frades solicitaram à Câmara um empréstimo para a reconstrução da igreja. Ainda nesta década realizou-se a construção da sacristia sob a tutela do Frei António de Bastos.

Na segunda metade deste mesmo século realizou-se a edificação da capela e cruzeiro e da colocação dos retábulos colaterais, e no início do século XIX realizou-se a colocação do órgão e retábulo-mor.

Chegou-se ao ano de 1833 e consequentemente a extinção das Ordens Religiosas, mas só em 1842 o Convento dos Capuchos foi adquirido por venda à Santa Casa da Misericórdia para aí ser construído o novo hospital, o que permitiu novas obras de adaptação para albergar esta nova instituição. Em virtude destas obras as dependências conventuais quase desapareceram, transformadas em enfermarias e restando apenas a igreja, a sacristia e os claustros.

Iniciou-se assim um novo processo como Hospital de Santo António dos Capuchos, em 1867, ano em que se deram por concluídas as obras do hospital, sendo o antigo abandonado definitivamente. Assim esta instituição se manteve até 1991, ano em que a deram por encerrada com deslocação para o atual hospital.

Descrição

A igreja de fachada barroca está delimitada por cunhais de pilastras, rematada por espaldar recortado com edícula ao centro, possuindo na mísula as armas da Ordem Franciscana, e ladeada por pináculos.

Apresenta uma planta longitudinal, formada por uma única nave e capela-mor retangular.

No primeiro registo abrem-se três arcos de volta perfeita, com acesso a uma nártex com azulejos barrocos joaninos. No seguindo registo temos um janelão recortado e ladeado por dois nichos com as imagens de São Francisco e Santo António.

Classificação

Como edifício independente não tem qualquer classificação, contudo está incluso na Zona Especial de Proteção do Conjunto do Castelo, Igreja de São Miguel e Paço dos Duques de Bragança. Igualmente está incluído na Zona Especial de Proteção do Núcleo Urbano da Cidade de Guimarães.

Veja outros pontos de interesse
nesta localidade Guimarães
ou neste concelho Guimarães
Outras localidades deste concelho Guimarães

Localização

Coordenadas GPS: N 41 26.863' W 008 17.521'  (41.44772, -8.29202)

Temas / Tags

Guimarães, publicado em por